Caju amigo: com vodca ou com gim?



No sábado passado finalmente fui conhecer o novo Pandoro. Confesso que demorei um pouco para fazer essa visita por absoluto receio de me decepcionar com o que iria ver. Meus cabelos ainda castanho-claros haverão de denunciar que não sou experiente, digamos assim, para ter conhecido o Pandoro no seu auge, nos anos 50 e 60. Como nasci nos 70, de fato só descobri a casa em meados dos 90, cerca de dez anos atrás. O Pandoro, é verdade, já vivia sua fase de decadence, mas até o dia em que fechou as portas de vez, em 2006 ou 2007, não me lembro bem, jamais perdera sua elegance.

À porta do novo Pandoro, logo vi que as coisas mudaram: o acesso ao bar não é mais feito por aquela maravilhosa porta de vidro à qual quem a ultrapassasse, seria imediatamente visto (e eventualmente convidado para um uísque) por quem quer que estivesse lá dentro. Agora, a entrada é feita pela lateral direita, que se abre para um salão à moda art decor, de pé-direito alto. Assim que entrei, uma hostess (sinal dos tempos! outra novidade é o acesso à internet sem fio) me recebeu e me encaminhou para o salão principal.

Ali, o velho balcão espelhado, com suas prateleiras repletas de garrafas de uísque (a coleção era uma das maiores entre os bares paulistanos) e que anteriormente ficava nos fundos, de frente para a rua, foi montado agora no canto esquerdo do salão — com menos opções de scotch, diga-se. Guilherme, o célebre barman, estava lá, desta vez escoltado por um barman assistente, com quem dividia a produção de caju-amigo..

Antes de me acomodar, dei um pulo até o novo salão dos fundos, que ocupa a área da antiga padaria — para que não sabe ou não se lembra, dos fornos do Pandoro saíam panetones e pandoros (uma espécie de versão da iguaria natalina, só que sem frutas cristalizadas), entre outras delícias da panificação, diariamente. Conheci esses bastidores no fim de 2003, quando fiz uma reportagem sobre alguns dos bares mais antigos de São Paulo. Lembro de ter ficado impressionado com uma espécie de batedeira de bolo gigante, revirando a massa sem parar — como prefiro o pão ao chocolate, era como se eu estivesse na fantástica fábrica do Willy Wonka.

Já acomodado numa confortável poltrona de couro preto, pedi um caju amigo e um sanduíche de cupim, bom, exceto pelo pão muchibento. Como sempre, a mistura de vodca, suco de caju, caju em calda, gelo e açúcar — o drinque original, criado pelo barman Fumaça nos anos 50, levava gim no lugar de vodca — estava ótima.

Quando já estava no finalzinho do drinque, pensei: ué, por que não peço um caju amigo original, o do Fumaça, com gim no lugar da vodca? Foi o que fiz. E, devo dizer, o Fumaça sabia das coisas: com gim, o caju-amigo torna-se mais potente. O perfume algo floral do gim marca presença e, na boca, ele se destaca em relação à fruta. Espetacular.

Na volta para casa — e até agora, para ser bem sincero –, tentei definir qual foi o saldo dessa minha primeira impressão sobre o novo Pandoro.

Senti-me como se estivesse em um outro bar, em meio a algumas caras e cantos conhecidos, mas ainda assim num outro lugar. Aquele salão quase sempre vazio mas aberto a qualquer hora do dia, as mesas cobertas por toalhas velhas, as cadeiras com armação de ferro, o relativo silêncio cortado pela repentina algazarra de um ou outro publicitário da vizinha DPZ à cata de inspiração, tudo isso fazia do Pandoro um bar de meditação.

Pelo que vi, e não gostei, o Pandoro tornou-se (mais) uma balada. Pelos que bebi, continua fantástico. De qualquer forma, é bom tê-lo de volta.

———————————————–
Pandoro
Avenida Cidade Jardim, 60, Jardim Europa
tel. (11) 3063-1661
———————————————–

Advertisements

14 thoughts on “Caju amigo: com vodca ou com gim?

  1. Caro Miguel ,Acabo de ler o seu comentário e concordo com ele.Eu faço parte de um grupo de amigos que todas às quintas-feiras saimos para beber ou comer e, sempre que conhecemos um lugar novo , eu escrevo um comentário.Eu fiz uma comparação entre o “old” e o “new” Pandoro.Como o texto ficou grande, não dá para reescrevê-lo aqui.Estive no Pandoro no dia 16/05 .Naquele dia nem o cajú amigo(só se for amigo da onça- R$19,00)estava bom.Os cajús eram feitos como se fosse uma linha de montagem . Ficavam prontos em cima do balcão aguardando serem retirados.Quando chegavam à mesa , estavam sem gelo e aguados.A coxa creme e o pastel de queijo que eram referências ; nem se comparam com as do “old” Pandoro.Para mim a casa perdeu o charme(virou um bar de balada)e a identidade(ficou muito parecido com o Astor ;chopp corrido,formato do cardápio,porções de frios, clube do “Johnnie Walker” e até as luminárias)Enfim, não gostei do “new” Pandoro.Porém , foi como você escreveu :”É bom tê-lo de volta.”Mas eu não volto!Abçs.Júlio De Ranieri

    Like

  2. O Pandoro é minha vida e sempre será!Um dia vou morrer, nesse dia quero estar no Pandoro!!Ele está demais! Parabens pra quem o troxe de volta bem melhor do que era.João Braga

    Like

  3. Ola Miguel,Descobri seu blog navegando hj pela Internet e achei fantástico.Na verdade eu preciso tirar uma grande dúvida sobre chope e acho que uma palavra sua pode ser crucial. Como posso te enviar um e-mail?

    Like

  4. Eu li esse texto na sexta, pelo final da tarde e achei interessante, logo mais meu namorado e eu saímos e por sugestão de sua irmã fomos bebericar no Pandoro, achei muita coincidência, só me lembrei do texto quando vi no cardápio o Caju Amigo, experimentei e achei divino.O ambiente é muito agradável, um pouco cheio, é difícil conseguir uma mesa, porém o cardápio em todos os sentido é de muito bom gosto, além do atendimento que é excelente!Não sou da geração que o conheceu em sua versão antiga, porém gostei muito!

    Like

  5. Conheci e frequentei por um bom tempo, sempre aos sábados entre 13 e 18 horas no Ano de 1978.
    O Caju Amigo realmente não sei se era feito com gim ou vodka, mas realmente era ótimo. Chegava a tomar cinco ou mais por cada tarde de sábado.
    Saboreava muito o mini quibe e pastel acompanhado do molho de pimenta Tabasco (que era poucos lugares que ofereciam).
    Acredito que frequentei até meados dos anos 83, depois disso nunca mais fui, e nem sei porque…
    Não sabia que tinha fechado. Mas agora que reabriu vou fazer uma visita e depois comparar com o antigo.
    Voltando ao Caju Amigo, não sei do que era feito, mas vou ja pra cozinha preparar um pra mim com Vodka mesmo, já que no momento não tenho Gim….mas amanhã faço um com Gim e depois posto qual das duas versões é melhor….
    abraços
    Laércio Di Passos

    Like

    • Prezado Laercio,

      Pois volte ao pandoro e me diga o que achou do caju amigo.
      Um abraço, obrigado pelo comentário e volte sempre.
      Miguel

      Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s