Comer lángos não é fácil

Pense, leitor, no prato, no petisco, na fruta, no sanduíche, enfim, na coisa mais difícil que você já comeu (ou tentou comer) em toda a sua vida.


Terá sido, por exemplo, o exagerado sanduíche de mortadela do Hocca Bar, no Mercado Municipal de São Paulo? (Em mais de uma vez que me atrevi a encarar um desses, saí com as mãos lambrecadas de óleo e vi metade das fatias do embutido despencarem para fora das duas bandas do pão). Ou o cachorro-quente da esquina, em que o purê de batatas vive querendo fugir do empurra-empurra com a salsicha?


Já experimentou o caranguejo servido nas barracas de praia nordestinas? Da próxima vez que tiver a chance de ir a Fortaleza, por exemplo, prove uma caranguejada. Juntamente com a porção do crustáceo, você vai receber um martelinho de madeira. A questão a se colocar é a seguinte: valerá a pena ouvir aquela sinfonia de marteladas só para extrair alguns gramas de carne desses bichinhos que gostam de andar de lado?


Costumo me dar mal quando vou a um restaurante mais bacana e peço alguma receita elaborada com pescado. Torço para que o maître esqueça de trazer a faca de cortar peixe pois, como sou canhoto na hora da refeição, me atrapalho todo com esse negócio…


Mas nenhuma dessas experiências é tão angustiante quanto a tentativa de comer lángos (pronuncia-se langosh). Trata-se de uma comidinha muito popular nas ruas da Hungria. Lembra um pão frito, tem o tamanho de uma pizza brotinho, e é coberto com um indecifrável molho de salsicha, alho, tomate, cebola, páprica, pimentão e um monte de outros temperos e ervas.


Fui apresentado ao lángos no fantástico mercado de Budapeste. No mezanino dessa construção que lembra a paulistana Estação da Luz, com sua estrutura de metal, enfileiram-se boxes especializados em lángos.


O problema é que devido à espessura da massa e à quantidade de cobertura desse molho de salsicha, por mais que os músculos faciais do comensal sejam elásticos e que sua mandíbula seja enorme, tenha certeza que mais da metade do lángos vai parar no chão – sim, no chão, pois o máximo de apoio que você terá é um singelo guardanapo.


Tentei começar pelas beiradas, como ensinava a vó Leonor na hora da sopa, parti para uma aproximação por cima, para tentar absorver primeiro o molho mas, ainda assim, vi as rodelas de salsicha enlameadas despencarem sobre meu tênis. De modo que não consegui responder à pergunta: afinal, gostei desse negócio ou não?

Se alguém aí souber de alguma tática, por favor me avise. Quem sabe, da próxima vez eu possa ter uma relação mais cordial com o lángos.


Advertisements

2 thoughts on “Comer lángos não é fácil

  1. Miguel, lángós eu não sei como se come, talvez uma daquelas caspas de chuva que os caras vendeem em estádio pudesse ajudar. Mas hambúrguer, qto mais recheado, fica bem mais fácil se vc levá-lo de cabeça pra baixo à boca, pode conferir. Abraçao, Edgard

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s