Pequim-São Paulo

Ontem à noite fui à baladinha de lançamento do livro Ping-Pong – Chinês por um mês, do meu amigo Felipe Machado. Editor de multimídia do Estadão, ele compilou uma série de textos que produziu para o jornal no período em que esteve na China, para a cobertura das Olimpíadas.

Pelo que depreendi dos divertidos textos, o autor estava mais interessado em explorar os lugares, os personagens e as histórias mais curiosas de Pequim – e até de Xangai, que deve ser mais ou menos uma Berlim do extremo oriente, por conta de sua efervescência – do que propriamente acompanhar as competições. O que, aliás, é o grande mérito do livro.

Uma das passagens bacanas menciona o bairro de Nanluoguxiang, que é repleta de bares e restaurantes – uma Vila Madalena a 32 horas de distância da versão paulistana. É ali que fica o “Beijing’s Smallest Bar” ou O Menor Bar de Pequim (foto).

Trata-se de um cubículo com 12 metros quadrados, com apenas uma mesa e três lugares. Num país em que tudo maiúsculo e superlativo, não deixa de ser engraçado encontrar um lugar desse.

Não é à toa, portanto, que o Machado tenha escolhido o Bar Secreto ou Bar Sem Nome ou simplesmente Bar para fazer a festa de lançamento.

Sem placa na porta e na base do boca-a-boca, a casa instalada ali na divisa entre Vila Madalena e Pinheiros tornou-se a balada mais comentada de São Paulo nos últimos meses.

Não é bem um bar, mas uma balada, com som muito bom – house, dance music e variações, ontem a cargo dos DJs Chantal, Tadeu e Ad –, estilo clube prive e público boyzinho-querendo-ser-descolado. Para ter acesso à casa, é preciso falar uma senha, colocar o nome em uma lista no site ou ser aceito pela poderosa hostess.

Como eu tinha a senha na ponta da língua, furei a aglomeração na porta, no meio da qual pude ver e ouvir algumas garotas tendo chiliques, já que a hostess selecionava todo mundo – exceto elas.

O bar não é o primeiro que usa desse tipo de expediente para receber o público. Há os que fazem isso de forma dissimulada. Mas, se há algum mérito para a balada de ontem, é justamente o de deixar claras as condições de acesso. É chato, mas os anfitriões estão no seu direito

Para os barrados, convenhamos, tem sempre a democrática Vila Madalena.

O Bar (ou Bar Secreto). Rua Álvaro Anes, 97, Pinheiros. http://www.sitedobar.com

19 thoughts on “Pequim-São Paulo

  1. ai, como você adora ser o bonzão, né Miguel.”O anfitrião está no seu direito”. Que direito? Se quer abrir um bar, que deixe de frescura, porra! Mas como você entrou, você acha que os outros, ou a ralé, está dando xilique. você escreve coisas legais, mas esse seu lado “ai, como eu sou gostoso, a poderosa hostess me deixou entrar” é muito chato. Se manca, vai.

    Like

  2. Caro “Anônimo”,Obrigado pelo seu comentário. De forma nenhuma quis passar essa imagem d’ ‘bonzão’. Só quis, como nos outros textos, relatar uma experiência.Volte sempre, mas sem ofensas, por favor, ok?

    Like

  3. oi miguel, é a ale corvo, tudo bom?o anônimo foi ofensivo, mas, na boa, esse papinho que abrir bar e não deixar as pessoas entrarem é uma “frescura” como diz o anônimo aí. É inconstituicional não deixar alguém entrar em um lugar público. Se o cara quer receber gente, que chame as pessoas pra sua casa. E ficou meio estranho você defendendo esse estilo de baladinha, convenhamos. Ou é público, ou é privado. Ou eu estou antiquada para as novas tendências. Fica todo mundo convidado para a minha escola que á aberta a todos. haha, ó o merchan. Beijos Miguel. Feliz 2009

    Like

  4. Amei!!!!Acho super valido eles barrarem!!!!Como aqui em londres acredito q em sao paulo e igual…. o povo q fala mal eh pq nao conseguiu entra!To loko pra qnd volta aparecer por la e tentar a sortee!!! hahahahahhaa!!Perfeito!

    Like

  5. Olá Miguel, Olá Ale Corvo.Tb acho mto chato esse negócio de ter uma hostess selecionando quem entra ou não. Que critérios será que ela usa? Da cabeça dela? Isso é exclusão social, sou contra!!

    Like

  6. cara, eu acho que desde que o mundo é mundo a tática da segregação sempre funciona para fazer uma baladinha virar a da moda. O que eu acho mto uó é este tipo de door policy onde o hostess tem poderes quase absolutistas de decidir quem entra e quem nao. Po, as melhores baladas sao sempre as mais democráticas. Eu acho que há várias formas de vc fazer um lugar ter a cara ou o espírito de uma tribo: pelos promoters, pelo preço, pelo som. Barrar na porta só por nao se ter uma senha me parece profundamente ridículo. E, sem querer ser indelicada com o autor, acho péssimo terminar o texto dizendo que aos barrados sobre a Vila Madá. Acho que incentivar este tipo de evento segregacionista uma enorme perda de tempo. E um lugar como este só vira moda pq um bando de manés se aglomera na porta, como se aceitação para entrar fosse um passe para o Olimpo. Fala serio. Prefiro me jogar no Vegas, onde gays, caretas, mauricinhhos, travecos e playboys todos têm seu espaço. Na paz e no maior respeito.

    Like

  7. Oi Miguel! tava passando por aqui, lendo seus leitores. Adorei. O RaffiB mostrando o lado mais evidente do ser humano que acha que entrar numa balada faz dele alguém ‘mais importante’…triste. Adorei o post da Victoria Helena (que nome lindo) e do anônimo, democra geral, concordo 1000%.beijos

    Like

  8. é tao dificil ler comentarios baseados em suposicoes, e principalmente ver que a agressividade é sempre a ferramenta perfeita para aquele que tem medo do desconhecido e nao sabe argumentar. Frequento esse local com carinho e sei que todos que trabalham la sao cordiais, é um bar para amigos como varias casas privés que existem no mundo todo e por serem de pequeno porte, utilisam o metodo de escolha da hostess, que no caso desse bar é uma pessoa educada e dedicada. Eu continuarei indo e gosto de privé, acho interessante existir formatos diferentes de noite em Sao Paulo e finalmente, a noite nao é para ser levada tao a serio, é so mais uma festa. Relaxem

    Like

  9. A verdade é que a inveja existe e a cobiça do até então desconhecido alfineta.Concordo com a política do privé, afinal o democrático existe para quem o quer, o aprecia e o freqüenta.O que não consigo compreender são as pessoas que gostam do livre acesso querendo frequentar lugares como o bar. É, no mínimo, contraditório e paradoxal.

    Like

  10. Achei o texto nada além do previsível. E ressalto que diante de tanto eufemismo enaltecer uma ação lamentável dessas, que determinados recintos aderem, é por baixo sinônimo de ignorância ou, se essa for desesperadamente negada, o diagnóstico é a burrice mesmo! Pois nenhum ser humano provido de inteligência e/ou bom senso iria se expor de maneira complacente com uma negligência social de tamanha gravidade!!! É desprezível ser cúmplice de um “projeto de entretenimento” permeado por indivíduos ancorados em suas etiquetas de “grifes” pífias deslumbradas com uma diversão consistida na exclusão de outrem. E não me venham com essa de “dor de cotovelo” que eu fui um dos “escolhidos” naquele antro nefasto e não me sentir nada bem com a puerilidade que ali exalava. Essa realidade ignóbia é a mais pura prova do talento que o Brasil possui em plagiar o que já é pejorativo e piorar o seu caráter!!! Que lástima!!!Miguel, em minha opinião, você é mais um daqueles em que a condição vital impõe a falta de solo para sentir a realidade dos fatos. Medíocre.Tito Oliveira

    Like

  11. Lucas? Você já se deu conta do quanto é um fascista?!!! A sociedade já se encontra saturada de pessoas que existem apenas para ocupar espaço como você. Tenta gastar essa energia para alguma coisa produtiva, como se olhar ao espelho e não se concentrar apenas nessa sua face repugnante!!! Tito Oliveira

    Like

  12. Concordo com o Tito…Estive nesse bar e achei muito ruim, decoração pessima, som clivhe horroroso, pessoas mediocres, onde um participante de big bosta brasil era o grande astro da noite, e uma menina que ficou famosa por aparecer dadno prum cara no youtubem entrava junto com uma apresnetadora da mtv que ninguem sabe o nome,,, um segurança ridiculo achando que ao deixar entrar esse tipo de pessoa estava eprtencendo a essa patota mediocre, mas ele apenas recebia um beijinho no rosto de consolo, e tenho certeza que ao voltar de buzao pra sua casa na periferia ele lembrou das palavras que eu e um amigo dissemos a ele : essa não é sua realiddade , vc esta assitindo muita tv e aqui não é hollywood” digo o mesmo pra vc MIguel, aqui é Brasil será que esa geração vai ficar presa pra sempre na teoria de que os Estados Unidos é o mlehor lugar do mundo e que devemos copia-los em tudo??? ate o nome disso aqui é cópia “blog” rsrsrs Só pra ressaltar eu entrei nesse bar e muitas pessoas mesmo com covnites nas mão eram barradas isso é o cumulo da ignorancia, eu como muitos ali nao estavamos interessados em conhecer o bar da madona , apenas fomos convidados para um evento da adidas que se realizaria ali, e fomos recebidos por essa estrutura fascista segregária ,preconceituosa e humilhante! parabens vcs conseguiram manter as tradições mais sujas e mórbidas nesse lugar!

    Like

  13. 1 – “…frequento esse local com carinho e sei que todos que trabalham la sao cordiais…”;2- “..; hostess, que no caso desse bar é uma pessoa educada e dedicada.”Vicoria, acho que você não freqüenta o mesmo local do qual estamos falando. O segurança típico homem do povo explorado disulmbrado pelo glamour e se utiliza de palavras rudes e postura agressiva frente às pessoas que estão na fila. E quanto a hostess, de dedicada, apenas a homenagem que eu lhe faria…

    Like

  14. hahah como voces sao ridiculos, com toda essa agressividade e preconceito invertido, como voce pode argumentar sobre exclusao se voce mesmo é preconceituoso? Que bom que voces nao frequentam o mesmo lugar que eu, e que otimo que nao gostaram, nao perigo cruzar nenhum de voces la. As festas para mim continuam otimas.

    Like

  15. é engraçado ver uns coitados como as hostess e os seguraças selecionando pessoas, sendo que a realidade deles não é essa, e o mais engraçado é ver a pessoas que entram achando que são melhores que as barradas, nunca fui barrado, mais fico EMPUTESSIDO quando barram alguém, eu sou uma pessoa bem nascida, influente e rica, mas não gosto de ver exclusão de pessoas, e o pior de tudo é ver aquela pessoa que acha que tem alguma coisa quando entram em um lugar, ficam milhonariasai ai, dá pena!

    Like

  16. Outro dia fui com uns amigos a uma dessas festas e fui barrado. Talves por minha protuberancia abdominal ou um ar de homem placa. Só sei que sai dali sem me incomodar, liguei para umas amigas fomos a outras baladas e gastei R$ 13 mil numa noite. Acredito que o dono da tal balada se soubesse me chamaria para area vip, mas não vou pois não aguaento gente que se acha, fica segurando um copo a noite inteira e enfeitando o lugar, inpedindo alguém que realmente movimenta financeiramente o lugar.

    Like

  17. Fitilidade a toa, me divirto muito mais com um churrasco para os guardador de carro, jardineiros, empregadas domesticas, balconistas de bar na minha cobertura. Fui no Bar Secreto e vi um monte de gente se achando, ninguém chega em ninguém, bebem, cheiram e dança com malucos e saem com cara de frustrados. A balada é lá em casa! kkkk

    Like

  18. PARA RAFFIE: COM ESSE PALAVRIADO, ACREDITO MESMO QUE VOCE TÁ EM LONDRES. KKKK. PRESTA ATENÇAÕ PARA NÃO QUEBRAR PRATO. KKKK VOCE NÃO SABE NEM ONDE É PINHEIROS…

    Like

  19. O tal bar secreto, quando não houverem mais aglomerações na porta, vão liberar geral, é o mercado, me recuso a ir a um lugar destes, se o cara abre um lugar público pagou entrou

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s