Alegrias e frustrações no Pari


O Pari, como se sabe, é um bairro instalado a 3,5 quilômetros do marco zero. Ao seu redor (do Pari), orbita toda a cidade de São Paulo. Lá vivi por 22 anos e graças a Deus mantenho bons amigos – razão pela qual tento voltar algumas vezes por ano ao pedaço. Ema no de eleição é certeza, já que mantive ali meu domicílio eleitoral.

No domingo, desembarquei no Pari para tentar fazer um programa completo: almoçar na Casa Líbano e assistir ao clássico Portuguesa e São Paulo, no estádio do Canindé. A refeição, como eu esperava, foi perfeita. Não por acaso, o restaurante é um dos dez endereços bons e baratos da cidade, na opinião do editor de gastronomia de Veja São Paulo, Arnaldo Lorençato (leia a reportagem aqui).

Lamento (ah, como um Shiraz faria boa companhia àquele michui..), mas respeito muito, a posição dos proprietários da casa de não servir bebida alcoólica. Muçulmanos, eles servem ainda bem temperadas receitas árabes preparadas de acordo com preceitos halal – os cortes são provenientes de animais abatidos segundo os ditames de sua religião.

Duas jóias me chamam atenção ali: a cafta (macia e úmida) e a esfiha de carne aberta, também molhadinha, e com uma massa levemente adocicada.

Por falar em esfilha, na noite de segunda-feira fui tomar um chope (R$ 3,90 o de caneca) no Rei das Esfihas (foto), outro ponto turístico do bairro. Dei-me conta que fazia meses não passava por lá quando, no domingo, notei que a fachada havia sido mudada completamente. Após uma reforma, o salão dobrou de tamanho e perdeu completamente aquele ar de boteco sujinho – exceto pelo banheiro, que continua nojento, muito por culpa dos fregueses.

Nostálgico que sou, confesso que fiquei um tanto quanto temeroso do que poderia vir a encontrar. Alguns dos meus bares preferidos foram modernizados e perderam sua identidade, seu sabor original, como o Pandoro e o Peru’s (no Belenzinho). Sem falar no Elídio, que ainda não tive coragem de ver como ficou.

O Tadeu, com seu porte de coroné nordestino, estava de folga. Acho que foi a primeira vez que outro garçom me atendeu no Rei. Mal presságio? Que nada! Ao dar o primeiro gole no chopinho, percebi que a reforma, felizmente, deixou intocada a qualidade da bebida, que ali é um tanto mais amarga e um pouco mais gasosa que de costume. As enormes esfihas – há quem torça o nariz, mas as filas de espera no balcão, nos fins de semana – atestam a qualidade do quitute.

Há quem considere heterodoxo o pedido de uma esfiha de calabresa com catupiry (R$ 2,50), mas é uma das minhas prediletas. Aos críticos, digo logo: provem uma primeiro, depois venham falar comigo. Para os tradicionalistas, asseguro, a de carne, gordurosa (R$ 1,50), a clássica, é uma delícia.

No meio dessa dupla excursão ao Pari, só restou-me uma tristeza: como não quis pagar 50 reais por um ingresso de arquibancada das mãos de um cambista, fiquei sem ver os gols do Washington. Sorte dos 7500 gatos pingados que lotaram o Canindé.

Casa Líbano. Rua Barão de Ladário, 831, Pari, tel. (11) 3313-0289.

Rei das Esfihas. Rua Doutor Ornelas, 58, Pari, tel. (11) 3313-0022.

9 thoughts on “Alegrias e frustrações no Pari

  1. Cara, Sou um curitibano a ponto de me mudar para São Paulo(por questões profissionais) e voce me deixou com agua na boca. Quando estiver por aí, vou conhecer este bairro e os seus botecos.abraços e obrigado pelas dicas.

    Like

  2. Salve, Musashi!Não há dúvida de que o chope e o sanduba de carne com aquele insuperável e inigualável molho de repolho continuam deliciosos. Mas a alma da casa ficou lá no meio daquele quarteirão da Júlio de Castilhos, não acha? Obrigado pelo comentário e volte e sempre!

    Like

  3. Miguel, Assim como você, sou nascida e criada no Pari. Saí do bairro há 5 anos, mas é impossível esquecê-lo. Aliás, tenho o maior orgulho de ser do Pari! O menor bairro de SP, mas que guarda enormes lembranças para quem já viveu por lá. Fico feliz por você divulgar as jóias do nosso bairro do coração.Parabéns!

    Like

  4. Miguel, Parabéns amigão, se não defendermos o Pequeno Notável com seus 2,75 km, ainda vão acabar tirando o Pari do mapa, rsss, parabéns e fico super feliz com o que li e te agradeço como todo pariense acredito teria o prazer de fazê-lo. Se puder visite docepari.ning.com, será um prazer.

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s