Um clássico

Se alguém lhe disser que o restaurante Santo Colomba é um lugar que parou no tempo, não entenda esse comentário como sendo uma crítica. Ao contrário, tome seu lugar na máquina de H. G. Wells e siga para o número 1157 da Alameda Lorena, nos Jardins.

Quando entregar o carro na mão do manobrista – modernidade que, ali, ficará contente com a gorjeta, já que o pagamento pelo serviço não é obrigatório – você se verá num ambiente que talvez seja a melhor reprodução do que significa o hoje banalizado adjetivo “clássico”.

Primeiro, será conduzido pelo maître à mesa e acomodado numa cadeira de couro, tão confortável como colo de tia. Antes que peça o cardápio, notará que os demais clientes mantêm certa intimidade entre si e, invariavelmente, com os garçons. E que nenhum deles (ou quase nenhum) consultará o menu.

Imite-os, portanto, esqueça do cardápio, e chame pelo chef, José Alencar de Souza, o Alencar. Ele lhe dirá honestamente que naquele dia o atum está melhor do que o salmão, que o cordeiro vai melhor com as batatas. Se quiser uma pasta, aceite seu conselho: vá de trenette, um tipo de espaguete cuja massa é feita pelo próprio Alencar, com molho, por exemplo, de tomate com linguiça de porco preto – que, num lance de sorte, poderá ser gentilmente cedida por um dos habitués.

Por falar em habitué, pude constatar no almoço de ontem que a clientela compõe-se de gente que não parece se encantar com os modismos. São senhores, muitos, e damas, algumas, que continuam frequentando o restaurante desde 1979, sempre em busca de ingredientes de primeira linha e de sabor. E não de pirotecnia.

Gente que gosta de lembrar da história (ou lenda?) de que a casa pertenceu a uma confraria gastronômica da qual faz parte um ex-governador e deputado federal, que por sua vez ainda mantém na adega no subsolo do prédio algumas garrafas de tintos como o caríssimo Romanée-Conti.

A prova material inconteste da classe do lugar pode ser vista logo à esquerda, na entrada do salão. Trata-se do maravilhoso e quase centenário bar ao estilo inglês de mogno, decorado com vitrais e azulejos portugueses.

O conjunto foi arrematado nos anos 70, pouco antes da demolição do antigo bar do Jockey Club do Rio de Janeiro. É razão suficiente para você acreditar que se o tempo de fato não parou, ali, diante daquele balcão, ele poderia correr mais devagar.

Santo Colomba. Alameda Lorena, 1157, Jardim Paulista, tel. (11) 3061-3588.

Advertisements

8 thoughts on “Um clássico

  1. que bacana, miguel!

    acrescento que os preços praticados no santo colomba são muito justos e que o alencar faz, apenas sob encomenda, um ótimo arroz de pato!

    te seguirei no twitter.

    abração!

    Like

  2. Uma grata e feliz informação, todo o conteúdo. O ambiente, com certeza, transporta as pessoas a outra época, “em que o tempo poderia correr mais devagar”. Calor humano e apreciar o ato de alimentar-se, não simplesmente “comer”. Tudo na medida e simples, vida que a grande maioria das pessoas nem imagina existir. Obrigado.

    Like

  3. Coisas da curiosa biografia de meu pai – foi ele, grande admirador de belos bares ingleses, quem deu jeito de comprar e levar pra lá esse lindo bar que era do Jockey do Rio!

    Like

  4. Miguel, estive por lá depois de muitos anos, no final do mês de Julho, para com outros amigos enófilos (creio que os conheça à todos) degustarmos e discutirmos sobre a melhor maneira de classificar um vinho, e senti exatamente o mesmo que descreve em seu post sobre o local.
    Abraços de luz e calor
    Álvaro Cézar Galvão
    “O ENGENHEIRO QUE VIROU VINHO”

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s