Pizzas à gaúcha e piadina à paulista

Neste fim de semana chega às bancas do Rio Grande do Sul e às mais importantes de outras regiões do país, a edição 2010 de VEJA PORTO ALEGRE “Comer & Beber”, da qual participei como editor.

Vamos apresentar nessa publicação cerca de 560 endereços da grande Porto Alegre, entre restaurantes, casas de comidinhas e bares.

Porto Alegre, aliás, é berço de alguns dos botecos mais fantásticos do país. A Cidade Baixa – a Vila Madalena de lá – reúne lugares históricos e símbolos da boemia gaudéria, lado a lado com casas cheias de novidades e modismos. Esses lugares devem, portanto, ser percorridos sob inspiração da movida madrileña. Ou seja, a pé, com paradas em quantos bares você aguentar, nem que seja para um traguinho só.

Dias atrás, enquanto editava os textos da revista, percebi algo curioso. Muitos botecos portoalegrenses sugerem como petisco principal as suas versões para a napolitaníssima receita de pizza, assim como do sanduíche aberto no prato.

Será influência da cultura italiana, tão notável na culinária gaúcha? Sobre essa presença, convém dizer, o grande legado é a profusão de galeterias, casas especializadas em servir o galeto al primo canto, sempre cercado de massas e outros acompanhamentos.

É interessante notar, quando se pensa em petiscar, essa diferença nos costumes boêmios nas diferentes regiões do país. Se em São Paulo estamos mais acostumados a pedir porções ou unidades de bolinhos, croquetes etc., ao longo dos anos reparei que em Belo Horizonte, por exemplo, a moçada é chegada em tira-gostos com molhinhos, ensopados, daqueles em que se mergulha um pedaço de pão. O Rio de Janeiro exportou a ideia do balcão de petiscos, pra gente se servir. Mundo afora, e já que citei Madri, tem coisa mais legal que fazer uma degustação de tapas e pinxos tipicamente espanhóis?

Pois é, como aqui em São Paulo lugar bom pra comer pizza é mesmo a pizzaria – ou, no máximo, um balcão de padoca –, não me lembro de ver uma sugestão de redonda no cardápio de nenhum boteco, exceção feita também aos pizza-bares. (Não me lembro, não quer dizer que não exista.)

Mas como em São Paulo há de tudo um pouco, outro dia voltei ao Vianna, em Pinheiros, e entre trouxinhas de camarão, espetos de cafta etc, acabei pedindo uma piadina de mussarela com alecrim.

Piadina é uma espécie de pizza (há quem diga que é um tipo de pão…) de massa ultrafina, crocante, esticada e assada sobre uma chapa ou frigideira, de preferência. Nessa massa vão apenas farinha de trigo, sal e banha de porco ou azeite de oliva. As coberturas podem variar.

Embora eu não tenha encontrado registros, é inegável a semelhança entre a piadina – originária da região italiana da Emília-Romagna – e a pizza.

Para acompanhar uma garrafa de vinho e engatar um bate-papo sem hora para terminar, numa noite friazinha como a de hoje, ela vai muito bem.

Vianna. Rua Cristiano Viana, 315, Pinheiros, tel. (11) 3082-8228.

4 thoughts on “Pizzas à gaúcha e piadina à paulista

  1. Já encheu o saco ouvir falar de gaúcho aqui em São Paulo, reporter gaucho então… , só não tem gaúcho em churrascaria, os empregados são nordestinos e os donos são Espanhois, Argentinos… cultura italiana tem no Brasil todo. já que o sul o bem melhor que o Brasil inteiro, fiquem por lá com suas opniões.

    Like

  2. para quem quiser comer a verdadeira Piadina. Vá ao La Piadina cucina Italiana.
    R. prof atilio Innocenti, 911 – vl olimpia- são paulo

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s