Os melhores frangos são os que sobem a serra

Para um folião um tanto hiperativo quanto eu, é até duro constatar: este carnaval foi dos mais tranquilos.

Eu, que já me perdi pelos blocos de Olinda, Rio de Janeiro, Ouro Preto e Recife em carnavais passados, desta vez optei pelo sossego da Serra Gaúcha. Passei duas noites entre Gramado e Canela. Fiquei surpreso com as altíssimas temperaturas (desembarquei em Porto Alegre com 38 graus na cachola; no alto da serra os termômetros bateram os 33 graus) e impressionado com a estrutura turística da região.

Canela foi uma gratíssima surpresa. Como não tive muito tempo para desfrutar da cidade, saí de São Paulo decidido a fazer duas coisas, apenas. Assim, dei uma volta pelo Parque do Caracol, cuja atração máxima é a cascata homônima, com 131 metros de altura. A vista para aquele véu, a partir do mirante, hipnotiza. Dali parti para o Parque da Cachoeira, aonde se chega após encarar 10 quilômetros de uma estrada de cascalho. Bem menores, com cerca de 20 metros de altura, talvez, as quatro quedas d’água formada pelo Rio Cará do parque formam piscinas naturais, a principal delas com 8 metros de profundidade. Uma delícia ter mergulhado ali.

Gramado, por sua vez, é definitivamente uma das cidades brasileiras mais preparadas para o turismo: há parques, museus, shows, lojas, restaurantes, cáfés, atividades, enfim, capazes de manter famílias entretidas por uma semana, pelo menos – e sem repetir qualquer item da programação. Opções de hospedagem também não faltam, pois existem pousadas simples mas charmosas, hotéis luxuosos e até mesmo casas e apartamentos para aluguel por temporada.

Confesso que esperava uma pouco da mais da gastronomia. No inverno, ok, deve ser uma delícia encarar uma daquelas sequências de fondues que muitos restaurantes oferecem. Mas no verão, convenhamos, é uma tarefa difícil. Da mesma forma, há um exagero de restaurantes especializados em rodízio de massas. Uma pastisceria ou uma trattoria, das boas, a cidade fica devendo. (Prometo voltar no inverno, ávido por um banquete de fondues)

Galeto al primo canto, da Casa di Paolo, em Gramado (RS)
Galeto al primo canto, da Casa di Paolo, em Gramado (RS) / Foto: Mario Rodrigues

Uma ótima exceção a essa regra, ainda bem, fica por conta de uma instituição gaúcha, no caso, uma galeteria. Na Casa di Paolo, que integra uma rede com restaurantes em Caxias do Sul, Bento Gonçalves e Garibaldi, é servido um impecável galeto italiano.

Convém dizer que esse tipo de estabelecimento se caracteriza pela fartura. O galeto al primo canto, ou seja, abatido ao primeiro canto, entre 25 e 30 dias de vida, é a estrela de uma refeição que costuma começar com sopa de capelete, salada de radicce (almeirão) com bacon, maionese, polenta e massas, como o espaguete e o tortei (recheda com abóbora).

Salão da galeteria Casa di Paolo, em Gramado (RS)

Um dos ambientes da Casa di Paolo, em Gramado (RS) / Foto: Marcelo Curia

A Casa di Paolo, pois, conjuga comilança com qualidade e sabor. E preza os ingredientes da terra. A começar pela bebida, o refrescante chope Rasen, fabricado em Gramado (R$ 4,80) à moda das cervejas mais secas e amargas do norte da Alemanha.  

A especialidade da casa, por sua vez, é precedida pela sopa de capelete e pelas duas opções de salada: a siciliana (com alface, rúcula, croûtons, tomate seco e parmesão) e a de fresquíssimas e verdejantes folhas de radicce com bacon crocante.

Em seguida, o garçom deposita à mesa, como que numa escolta ao galeto, uma bandeja contendo polenta brustolada (chapeada) e outra repleta de bolotas de queijo à dorê (bolotas mesmo, maiores que uma bolinha de pingue-pongue e menores que uma bola de tênis; logo, bolotas!).

Sua excelência o galeto, por sua vez, chega cortado em quatro pedaços, com a pele douradíssima e a carne úmida e bem temperada, com sal na medida e um leve destaque para a sálvia.

A essa altura poderão estar à sua frente, sobre a toalha branca, também o espaguete e/ou o tortei feitos ali mesmo, amarelíssimos, cobertos por um (tomate), dois (funghi), três (quatro queijos), quatro (alho e óleo) ou cinco (tomate seco) tipos de molho.

E para não dizer que não falei de doces, você escolhe: sagu com creme ou pudim de leite.

Eu fui de pudim.

Achou pouco? Pois saiba que nas galeterias pode-se repetir os pratos quantas vezes quiser. Por tudo isso, na Casa di Paolo cada comensal paga R$ 47,00 mais taxa de serviço.

E volta para casa rolando, satisfeitinho da silva.

 

 

Advertisements

One thought on “Os melhores frangos são os que sobem a serra

  1. Estive neste carnaval (2012) em Gramado. Posso dar uma dica para fugir de massas e fondues, Restaurante Bouquet Garni serve frutos do mar, peixes e carnes exóticas. Ótimo serviço e uma bela vista do lago Joaquina Bier! Casa de Paolo é nota 10 nos Galetos! Vale a pena esticar até Bento Gonçalves e encontrar no Caminho de Pedra a Casa Vani. Infelizmente a cidade não estava preparada para este calor. Não se encontrava bebidas geladas!

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s