5 bares para ver a Copa, nos 5 cantos da cidade

 

Vamos falar a verdade: os dois melhores lugares para assistir a um jogo de futebol, seja do meu Tricolor ou da seleção, são 1. a arquibancada, 2. o sofá da sala do meu apê.

Mas se considerarmos que Copa do Mundo é uma festa, que essa balada possa também ser curtida em uma mesa de bar. Se esse é o seu caso, caro leitor, e mesmo que você já esquematizado tudo para a o jogo de abertura, lembre-se que teremos outras 63 partidas. O blog indica cinco bares, um em cada região da cidade, nos quais vale a pena reunir a galera para assistir Neymar, Messi, CR7 e cia.

ZONA NORTE

Bar do Luiz Fernandes — Nos dias de jogo do Brasil o melhor boteco da ZN está preparando a balada “7 horas de festa”. O bar vai ser ponto de encontro daqueles que quiserem esticar para a sede da Associação dos Oficiais da Polícia Militar de São Paulo. Nos R$ 150 (+ R$ 10 de transfer ida de volta) do pacote de cada dia está tudo incluso: bebida (chope e água à vontade), comida (bolinhos de carne e de bacalhau, sanduíche de churrsaco à vinagrete e calabresa apimentada; massas, churros e cachorro quente do Rolando Massinha; e baião-de-dois, dadinho de tapioca e caldinho de feijão de corda, do Mocotó) e samba. No dia 12, o esquenta tem Edu Batata e Grego e depois do jogo Brasil x Croácia — que será transmitido num telão HD de 90 metros quadrados —, o som fica a cargo de Leci Brandão. No dia 17 (Brasil x México), os Demônios da Garoa comandam a maloca e no dia 23 (Brasil x Camarões), Neguinho da Beija-Flor. Quem quiser apenas ver os jogos no próprio bar, vai poder, é claro. Rua Augusto Tolle, 610, Mandaqui, tel. (11) 2976-3556.

 

ZONA LESTE

Elídio Bar — Na primeira Copa sem a presença de seu mentor, Elídio Raimundi, o boteco tocado agora por suas filhas vai organizar um bolão para todos os jogos que rolarem às quartas-feiras: dia 18, Espanha x Chile e Austrália x Holanda; dia 25, Honduras x Suíça e Equador x França. O vencedor ganha uma feijoada, que é uma das melhores da cidade. Rua Isabel Dias, 57, Mooca, tel. (11) 2966-5805.

 

ZONA OESTE

Valadares — Esse clássico da boemia paulistana não está com nenhuma programação especial para a Copa do Mundo. O que, convenhamos, pode até ser uma boa notícia. Mas desde as 11 da manhã, horário em que a casa abre, as cinco TVs estarão ligadas nas partidas. Portanto, o melhor a fazer é descolar uma mesa legal, pedir uma Serramalte (R$ 9), uma porção de batata serragem (R$ 15) ou de testículos de boi (R$ 32) e secar os gringos. Rua Faustolo, 463, Lapa, tel. (11) 3862-6167.

 

ZONA SUL

Quintal do Espeto — Antes e depois dos jogos do Brasil, a moçada terá música ao vivo. Na hora do apito, telão e aparelhos de TV estarão espalhados pelos diversos ambientes. Parte do salão das três unidades estará destinada para os que fizerem reserva, parte para quem arriscar na hora, por ordem de chegada. Para acompanhar a caipirinha (cachaça Espírito de Minas, limão rosa, tangerina e canela, R$ 18) ou a cerveja Original (R$ 8,90), o espetinho de picanha sai por R$ 9,90. Avenida Pavão, 872, Moema, tel. (11) 5095-6565. Mais dois endereços.

 

CENTRO

Aconchego Carioca — A cada jogo estarão à disposição 40 pacotes da Torcida Aconchego (R$ 72), que dá direito a 4 cervejas, uma porção mista de bolinhos (virado, feijoada etc) e uma camiseta. Quem quiser optar pelo cardápio regular da casa, pode começar com uma taça do chope Delirium Tremens (R$ 19), seguir com uma porção de bolinho de aipim com bobó (R$ 26, com 6 unidades) e fechar com o bobó de camarão, prataço dos bons, por R$ 86 (paar duas pessoas). Alameda Jaú, 1372, Jardim Paulista, tel. (11) 3062-8262.

Advertisements

Os novos e os clássicos drinques no SubAstor

 

Não sei quanto a você, mas na minha opinião a dobradinha Astor e SubAstor é o bunker perfeito para a temporada de noites frias. A combinação entre boa cozinha, salões e balcões invariavelmente floridos e coquetelaria respeitável é matadora.

Tenho sentido falta das caipirinhas do Tarcísio, barman que foi promovido a gerente do Pirajá (bar que pertence aos mesmos donos do Astor) do Morumbi Shopping) e que de vez em quando trazia de suas férias na Zona da Mata mineira boas garrafas de cachaça.

Em compensação, Neto, que atendia no SubAstor, subiu para o balcão do Astor e tem segurado a bronca com louvor: mandou muito bem no negroni e no manhattan que pedi.

Estive lá na semana passada e pude conferir um dos 20 novos drinques criados pelo barman Fabio La Pietra para o Sub. O apelo desses novos birinaites é a experiência sensorial. Foram reunidos num menu coquetéis que aguçam os sentidos — caso de uma receita servida em taça de prata, que estimularia o tato.

O frappê à la negroni (foto) é uma releitura do clássico da coquetelaria internacional, cuja base mescla vermute tinto com gim. Aqui é misturada a com creme, ganha um paladar levemente adocicada e é servida numa taça de frappé. Sai por 28 mangos.

Não achei ruim, para falar a verdade, mas não fiquei tão empolgado com as novidades.

Num símbolo da boemia paulistana, como é o caso do Astor e de seu adendo Sub, prefiro ficar com a segurança dos clássicos.

Astor e SubAstor. Rua Delfina, 163, Vila Madalena, tel. (11) 3815-1364, SãoPaulo, SP

Por 10 mil reais, o champanhe do Senna

Há exatos trinta anos, o piloto Ayrton Senna conquistava o seu primeiro pódio na Fórmula 1, no Grande Prêmio de Mônaco. Aquele 2º lugar, debaixo de chuva, seria inesquecível não apenas para ele mas para todas as pessoas que, como eu, gostam de automobilismo. A bordo de sua Toleman, Senna voava debaixo do toró que caía no Principado e vinha ultrapassando a todos os adversários, entre eles Niki Lauda, René Arnoux e Michele Alboreto. Quando estava para emparelhar com o líder da corrida, Alain Prost, a organização da prova encerrou a prova, antes mesmo de terem sido completadas todas as voltas, numa decisão mais do que polêmica. Você pode ver os melhores momentos dessa prova aqui.

Pois hoje pela manhã foi lançada na sede do Instituto Ayrton Senna, em São Paulo, uma série especial de 41 garrafas double magnum (3 litros) do champanhe Moët & Chandon Impérial, em homenagem às 41 vitórias conquistadas por Senna — naqueles tempos mais emocionantes da F1, era com uma Impérial que os campeões brindavam.

Cada garrafa traz uma réplica da assinatura do tricampeão — que guardava em seu acervo o vasilhame ganho após cada vitória, não sem antes grafar seu nome no rótulo —, assim como uma versão da etiqueta da bebida à época.

Essas 41 garrafas estarão à venda apenas no Brasil, a partir desta sexta, 6 de junho, por 10.000 reais cada uma, em lojas de bebidas e bares de alguns hotéis — até o momento, porém, a Moët & Chandon não informa quais são esses pontos — mas se você for um Sennista, já pode dar um toque ao gerente do banco.