O MoDi — ou a boa relação entre preço e qualidade

Os 30 e poucos minutos de espera por uma mesa, na segunda vez em que fui ao MoDi, na noite de sexta passada, valeram a pena. Taí um restaurante bom, bacana e barato, que, um amigo me contou ontem à noite, vai ganhar uma segunda unidade no mesmo bairro de Higienópolis, na área externa do shopping.

Por que é bacana? O MoDi ocupa aquele imóvel de pé-direito alto no térreo do Edifício Paquita, no meio do quarteirão na Rua Alagoas, no trecho em frente ao Parque Buenos Aires, que já hospedou outros empreendimentos gastronômicos, como a padaria do chef Olivier Anquier. À esquerda da entrada, fica o bar e há mesas no térreo e no mezanino. O único senão, falando do ambiente, é a acústica sofrível.

Por que é bom? Porque o chef Diogo Silveira, que é um dos sócios, acerta a mão em receitas como a dobradinha à toscana com bruschetta de ervas e polenta mole (R$ 25), servida apenas na primeira semana do mês. Nas demais semanas, revezam-se outras opções de miúdos. Quero voltar na próxima-última, dedicada à língua de boi. Outra boa sugestão é o varênique sbagliato recheado de cebola caramelizada com queijo cremoso e chips de presunto cru (R$ 28).

Das entradas, vai melhor a bruschetta de cogumelos (R$ 11) do que o cone al mare, uma seleção de frutos do mar encharcados, quero dizer, empanados (R$ 11).

As sobremesas estavam mais ou menos: tanto o canollo quanto a torta de chocolate (R$ 11 cada um).

Em compensação, os preços dos vinhos são bem convidativos, a exemplo da taça do porto Graham’s Tawny (R$ 11) e da garrafa do tinto Urban Tempranillo, vendida a R$ 68.

Para não perder tempo, tome o cuidado de não seguir o exemplo deste blogueiro e chegue o mais cedo que puder, ou fora dos horários de pico no almoço e no jantar. A cozinha funciona do meio dia às 11 da noite.

MoDi Gastronomia. Rua Alagoas, 475, Higienópolis, tel. (11) 3564-7031.

PS: texto alterado pelo blogueiro, para corrigir uma informação. Diferentemente do que foi escrito, a casa não faz reservas.

 

Advertisements

O boteco mais seguro do Rio de Janeiro

Demorou um bocado, mas finalmente fui conhecer o Pavão Azul, boteco localizado na esquina as ruas Barata Ribeiro e Hilário de Gouveia, em Copacabana.

Foi uma visita rápida, é bem verdade, a meio caminho entre Ipanema e o Aeroporto Santos Dumont, quarta-feira passada.

Mas com tempo suficiente para pescar, acho eu, um tiquinho da alma do bar que — diferentemente de outros botecos da Zona Sul carioca, que costumam valer-se da fortuna de sua localização como vantagem competitiva, esquecendo-se do que realmente importa: atendimento, comida e bebida.

Percebi verdade naquelas pataniscas (uma espécie de primo pobre e disforme do bolinho de bacalhau, R$ 2,30 a unidade) e no chope, servido em copo adequado (tipo Hannover, com pezinho).

Não consegui me acomodar em uma das mesas sobre a calçada, mas o garçom deu um jeito de me arranjar uma banqueta, sobre a qual coloquei copo, petiscos e porta guardanapos, quase no meio-fio. A uns 5 metros de distância, alguns clientes tomavam cerveja e conversavam, encostados nos carros parados nas vagas a 45 graus.

A uma distância ainda menor, duas freguesas trocavam segredos, copo de cerveja na mão, pernas cruzadas e cadeiras descansando sobre o capô de um carro da polícia, também estacionado ali — a 12ª Delegacia de Polícia fica ali em frente, no que deve fazer do Pavão Azul o bar mais seguro do Rio de Janeiro.

Pavão Azul. Rua Hilário de De Gouveia, 71, Copacabana, tel. (21) 2236-2381.