Eu, mala

IMG_2724
Vinho bom e barato no Canaille / Foto: Miguel Icassatti

Sabe aquele tipo de freguês que garçom adora? Aquele que chega assim e pede: “ô, chefia, sabe esse filé aperitivo com alho’? Então, dá pra trocar o alho por cebola?”

Pois é, eu confesso, às vezes encarno essa figura. Não é sempre, mas dia desses encarnei, e num bar que eu gosto bastante, o Canaille, em Pinheiros.

Mas eu acho que tive lá minha razão.

O Canaille é um bar-restaurante bem charmosinho, com uma varanda gostosa e que tem uma boa carta de vinhos, com cerca de 80 rótulos, e a preços bem convidativos – inclusive opções em taça, para quem não quiser pedir uma garrafa. Tem várias opções abaixo de 100 reais, por 55, por aí. Eu pedi um rosézinho, francês, por 89, se não me engano.

Pois bem, cheguei lá com Camila e dessa vez eu queria provar algo diferente daquilo que costumo pedir sempre, que é o bom cheesesalada da casa com maionese de bacon, acompanhado de batata rústica e que custa R$ 28.

Percorri o cardápio e falei: “bom, vou pedir essa coxa e sobrecoxa de frango marinada” (R$ 25) . O problema, pra mim, é que esse prato vem acompanhado de uma porção de arroz. Eu achei que esse acompanhamento não tinha nada a ver, era bem sem graça, e perguntei à garçonete, tadinha, se eu poderia trocar o arroz, por exemplo, por algumas batatas rústicas.

Ela foi à cozinha e voltou dizendo que não dava, mas que poderia ser trocada por deliciosos… legumes.

Pô, confesso que fiquei #chatiado e desencanei do frango. Acabei voltando para o hambúrguer mesmo. E, pra falar a verdade, não me arrependi. Estava bom, embora um pouquinho acima do ponto que pedi, mal-passado.

Ao contrário, me acalmei e parti pra sobremesa. Se não me engano, um bolo com sorvete de abacaxi. Até me animei e pedi uma dose de cachaça, Nega Fulô, pra acompanhar. Mas aí, o doce veio com sorvete de… chocolate.

Fiquei confuso, perguntei pra garçonete se eu havia pedido a sobremesa certa, e ela me disse, que de fato, havia acabado o sorvete que eu havia pedido e a cozinha mandou o de chocolate.

Era a hora de eu me vingar e dizer: “Tá veeendo? O freguês é chato mas a cozinha também dá suas pisadas”.

Na verdade, na hora da conta, a casa até me ofereceu a sobremesa como cortesia, mas eu estava numa boa, com a minha gatinha, a noite tinha sido gostosa e recusei a oferta.

Pensei bem, e concluí que é melhor se lambuzar de chocolate do que descascar abacaxi.

Canaille Bar. Rua Cristiano Viana, 390, Pinheiros.

Advertisements

Amigo Giannotti e a fogazza

IMG_2741

O Icassatti e o Giannotti / Foto: Miguel Icassatti

Quando eu tinha meus 16, 17 anos, ia muito com meus amigos ao Chop Haus, um boteco fuleiro na Rua Santo Antonio, no Bexiga que tocava rock e heavy metal – uma vez, até, seguimos pra lá a pé desde o Parque Antartica, depois do show do Iron Maiden.

E lá ficamos lá até as 5 da manhã, que era o horário que começavam a circular os ônibus que nos levariam até em casa, no Pari.

E um ponto de parada antes ou depois do Chop Haus era o Amigo Giannotti, para forrarmos o estômago com a focaccia da casa.

O amigo Gianotti, no caso, é o senhor Antonio Luis Giannotti, que mantém o boteco aberto desde 1983, numa daquelas casas típicas do Bexiga – se não me engano o imóvel é dos anos 1930.

Como convém a um bom boteco, eu sempre insisto, ali ele trabalha ao lado da família: com a mulher e os filhos, que cuidam da cozinha e do salão. Eu passei lá no sábado, 1h da manhã e estava tudo mundo no batente.

Eu pedi uma focaccia de calabresa, absolutamente deliciosa. O recheio mistura a linguiça com temperos e tomate. A massa é crocante e leve, tanto quanto uma bomba dessas pode ser.

Pra beber, fui de Heineken, 13,50 a garrafa.

Ele abre o bar de quarta a domingo, a partir das 20 horas e funciona até as 2h da manhã.

Quando o dia 29 do mês coincide com o domingo, abre para o almoço e serve o famoso nhoque da sorte.

Aliás, que sorte termos um boteco como esse em São Paulo!

Amigo Giannotti. Rua Santo Antonio, 1106, Bexiga.

Duelo de empanadas

IMG_2710

El Guatón: empanadas chilenas em Pinheiros / Fotos: Miguel Icassatti

Qual a melhor, a empanada argentina ou a chilena?

Para fazer o tira-teima, resolvi provar, no mesmo dia, e praticamente na sequência, a empanada do El Guatón, em Pinheiros, e a do Bar das Empanadas, na Vila Madalena.

O El Guatón é uma casa que foi aberta em 1997, completou 20 anos, portanto. O cardápio traz receitas típicas do Chile, adaptadas ao paladar brasileiro.

Muito antes da modinha do ceviche nos restaurantes peruanos, por exemplo, esse prato já fazia parte do menu do El Guatón. Tem também pastel de choclo, pescado frito e, empanada, é claro.

IMG_2717

Empanada de carne do El Guatón

Pra o tira-teima, pedi uma de carne. Ela tem o tamanho e o peso equivalentes quase ao de um pastel de feira. Foi assada na hora, em 8 minutos. Veio, portanto, superquentinha, com recheio bem temperado e um molhinho levemente picante.

Do El Guatón, segui direto para o Empanadas Bar, que é um dos veteranos da Vila Madalena, aberto em 1980 pelo Hugo Ibarzábal, fundador também do Martin Fierro, bom restaurante especializado em carnes, no mesmo bairro. O Hugo morreu em agosto passado.

O Empanadas sempre foi ponto de econtro de estudantes, jornalistas durangos e cineastas. Não à toa há muitos pôsteres de filmes na decoração e até um Kikito, o troféu entregue aos vencedores do Festival de Cinema de Gramado.

Estufa com empanadaIMG_2713

Estufa do Bar das Empanadas
Pois bem, ali as empanadas ficam expostas em uma estufa, que é reposta a todo instante, conforme ai sendo esvaziada.

Para poder fazer o tira-teima mais justo, pedi também uma empanada de carne.

Ela é menor que a do El Guatón, tem a massa mais úmida e recheio mais adocicado, por causa da uva-passa no meio da carne.

IMG_2715

No fim das contas, qual o veredito?

Vamos lá:

Massa: fico com a do Empanadas

Recheio: El Guatón

Sabor: El Guatón

Bar: Empanadas

Resultado?

Empate, e segue o jogo!

El Guatón. Rua Artur de Azevedo, 906, Pinheiros

Empanadas. Rua Wizard, 489, Vila Madalena

Uma ‘prainha’ em Higienópolis

IMG_2870

Salada de frutos do mar do Prainha / Foto. Miguel Icassatti

O carnaval de 2018 vai dar seus últimos suspiros neste fim de semana, o horário de verão termina na noite deste sábado e até o outono parece ter chegado antes da hora, não é?

Mas para quem, assim como eu, gosta muito desta época do ano (que deveria estar com os dias ainda beeem quentes), hoje vou indicar um botecaço que tem tudo a ver com a estação: é o Frutos do Mar Prainha, em Higienópolis.

O Prainha existe desde 1994 e ocupa uma esquina, com mesas dispostas no pequeno salão e na calçada. Tudo ali é pra lá de simples, desde o mobiliário interno até as mesas de plástico da calçada, justamente. É um típico boteco de bairro, com freguesia fiel, que muitas vezes conhece os funcionários, como o Eugenio, o Cafu, pelo nome.

À exceção de uma ou outra opção de porções de carne – entre elas a de pernil, que é mesmo boa e custa 48 reais – o cardápio se volta para os peixes e frutos do mar.

Servidos em iscas, por exemplo, tem o pintado e o linguado, a 52 reais a porção.

A casquinha de siri, cada uma, sai a 12 reais.

Quem prefere as frituras pode optar pela lula a doré, 48 reais, ou a manjubinha, 36 reais a porção – esses peixinhos crocantes mais uma cerveja gelada… ah, isso vai que vai!

Nesta visita mais recente, optei pela salada de frutos de mar, que na verdade é um misto de pescados marinados em um molho vinagrete feito com cebola e bastante pimentão.

O garçom me disse que muita gente ali prefere pedir quando a marinada é feita no dia anterior. O prato é gigante vem com polvo, sardinha, lula e mariscos. Custa 60 reais.

Para beber, vale pedir a caipirinha, cerveja gelada ou mesmo uma dose de cachaça. Entre as mineiras, por exemplo, tem a Germana e a Claudionor.

Frutos do Mar Prainha. Rua Martinico Prado, 344, esquina com Rua Martim Francisco, em Higienópolis.

 

 

 

Boteco na peixaria

IMG_3010

Foto: Miguel Icassatti

Depois de tanta energia dispensada no período do Carnaval – e, por quê não, também para repô-la para este fim de semana, que ainda terá blocos desfilando – acho legal indicar um lugar que sirva algo que dê uma trégua para o nosso fígado.

Sabe onde? No Pacífico Pescados. Como o próprio nome faz supor, eu estou falando de uma peixaria, sim, que mantém, desde 2016, um sushi-bar em funcionamento.

A peixaria existe desde 1949, numa travessa da Rua da Consolação. Quando morei ali na região, era freguês da Pacífico – pena que na época ainda não havia esse bar, que foi montado na frente do salão, que por sua vez passou por uma reforma, após a qual a peixaria foi para os fundos. Algumas mesas de madeira ocupam a área da frente também.

No cardápio tem os triviais de todo sushibar, mas ali a sensação é de que tudo é mais fresco.

Por exemplo, tem sashimi (de qualquer peixe) a 12,50 a porção de 5 fatias.

Sushi, a porção com 6 duplas de peixes e frutos do mar variados sai a 33,00.

Eu fui numa das cinco opções do combinado que leva temaki.

Pedi um temaki de atum + 3 sashimis e 2 niguiris por 25,50, de atum e salmão.

Há também mais versões de combinados, só de sushi e sashimi, com peixes variados e quantidades diversas também.

Pra quem gosta de ceviche, a porção custa 20 reais, e pode ser feita com salmão, atum e tilápia.

A oferta de bebidas é que é fraca, tem só refrigerantes e sucos de latinha, água e cerveja.

Em compensação, dá pra levar boas postas de peixe e de frutos do mar pra casa e garantir um bom almoço ou jantar, ok?

Pacífico Pescados. Rua Fernando de Albuquerque, 288, Consolação.

 

Batata!

chips-potatoes-1418192_960_720

Foto: Pixabay/ Creative Commons

Em seguida ao pão, não há alimento mais gostoso do que a batata. Em terceiro lugar vem o pão de batata. Isto posto, não existe modo de preparo melhor do que à portuguesa: fatiada em rodelas finíssimas e fritas. E crocantes.

Em alguns botecos  restaurantes, a batata à portuguesa acompanha pratos clássicos, como é o caso do filé à Osvaldo Aranha do centenário Café Lamas, no Rio de Janeiro.

Por falar em Rio, ou melhor, em São Paulo, quem faz uma batata à portuguesa excelente é o chef Alencar, do Santo Colomba, nos Jardins. O Santo Colomba está longe de ser um boteco, mas para quem aprecia bares é um lugar ao qual se deve ir ao menos uma vez na vida.

É que ali foi montado o lindíssimo bar – balcão, prateleiras, vitrais – que pertenceu ao Jockey Club do Rio de Janeiro no início do século XX.

É a coisa mais linda.

Quem tiver a chance, vá até lá, sente-se ao balcão, peça uma caipirinha e uma porção de batata a portuguesa e relaxe.

Outro lugar que tem uma deliciosa porção de batata à portuguesa é o Santos, no bairro do Pari. A casa existe desde os anos 1940 e faz parte da minha infância.

Uma vez lá, peço bolinho de bacalhau, contrafilé à parmigiana ou sardinhas assadas na brasa. Não importa qual seja o prato principal, não dispenso uma porção de batatas à portuguesa.

Saio sempre feliz de lá.

Santo Colomba. Alameda Lorena, 1157, Jardins.

Casa Santos. Rua Conselheiro Dantas, 92, Pari.

 

 

Cabeça de porco

IMG_2640

Uns meses atrás, em Lisboa e na companhia de bons amigos que tenho em Portugal – os lisboetas que não me leiam mas eram todos portistas -, vivi uma das minhas mais surpreendentes experiências gastronômicas, ao ter sido convidado para um jantar num lugar chamado Cozinha Popular da Mouraria.

A Cozinha Popular da Mouraria é um lugar que oferece refeições aos pobres, a refugiados e desamparados. Refiro-me, aqui, a comida das boas. Nessa ocasião, noite de domingo, alguns dos melhores chefs portugueses iria cozinhar para nosso grupo. Melhor dizendo, iria cozinhar uns para outros e nós teríamos o prazer de participar desse festim. Seríamos como que intrusos, num ambiente em que eles não teriam de se preocupar com medidas de ingredientes, com clientes ansiosos, nada disso. Estariam ali pela delícia de cozinhar.

IMG_2645

E assim foi. Nessa orquestra comandada pelo chef Rui Martins estavam, por exemplo,  José Julio Vintém, que até se aventurou anos atrás num restaurante no Recife, mas voltou ao Alentejo e abriu uma tasca (um boteco); e o André Magalhães, da Taberna da Rua das Flores, um dos melhores restaurantes de Lisboa e no qual comi coisas muito diferentes quando lá estive em 2016 – ele é angolano e prepara coisas de seu país natal.

Éramos umas 40 pessoas, num clima espetacular, de comunhão.

Nós, os intrusos, levamos garrafas de vinho, taças e os chefs entraram com a comida. Uma peça de chuletão brilhantemente assada, linguiça, um arroz de pato rico, pães e mais pães.

Ali eu tive, uma vez mais, uma aula de gastronomia no sentido de que é possível aproveitar de tudo, de todas as partes de um animal, quando ele é utilizado para nossa alimentação.

Em dado momento, André Magalhães, com sua boina de lado à la Michael Jackson nos anos 70, apareceu no salão com colher de pau e panela na mão, a oferecer a nós uma mistura curiosa: cabeça de porco ao molho de miolos do próprio animal, a “mioleira”.

Há diversas maneiras de se preparar os miolos (o cérebro, para os mais céticos), a alentejana, em pedacinhos empanados. E há inúmeras maneiras de aproveitar a carne da cabeça de porco: as bochechas, a pele, cada pedacinho mais delicioso que o outro – conforme pude testemunhar e comer mais de uma vez, entre elas a ocasião da foto abaixo, em 2015, na quinta de um amigo em Ponte de Lima, região do Minho, norte de Portugal.

IMG_8411

Voltando àquela mioleira preparada pelo André, essa trazia os pedaços enlameados em um molho grosso, com muitas especiarias, limão, com uma textura como se fosse a de um curry.

Uma delícia, perfeita para ser “xuxada” em uns nacos de pão. O que fiz.