A costela do Belchior

 

Aquele Belchior, o rapaz latino-americano sem dinheiro no banco, é outro, e foi pro céu dia desses, grandissíssimo compositor!

No caso, o da costela, que mencionei no título deste texto, é o Belchior de Freitas Soares, mais conhecido como Bel, o dono de um boteco bem pequeno em Pinheiros, escondido no meio de um quarteirão, num salão simples e estreitinho (foto).

Aliás, o Bel se gaba de fazer “a melhor costela no bafo do mundo”. Ele é fornecedor de bares nas vilas Madalena e Mariana, inclusive.

Não acho que seja a melhor do mundo – não chega perto do matambre que meu finado tio Artur fazia -, mas a carne estava bem macia na visita que fiz recentemente.

Na verdade, foi a segunda vez que estive lá – e da primeira, havia levado para viagem uma costela muito suculenta, úmida, limpa (isto é, sem gordura)  e, sim, deliciosa.

Desta vez, pedi um PF de costela, que veio com arroz, feijão e mandioca frita (R$ 18,98). Vem com uma porção pequena de arroz e feijão, mas se você quiser repetir, basta pedir que o Bel traz, sem cobrar nada a mais. Temperei a costela (que fica 15 horas em cozimento, segundo o Bel, apenas com sal grosso, ervas e cebola) com a pimentinha e a farinha da casa e foi mesmo uma delícia.

Tem também costela servida na panela de pedra sabão (por 75 reais), costelinha de porco com barbecue (85 reais), vaca atolada (cozida com mandioca, 75 reais) e até ossobuco cozido na cerveja preta (68 reais) – tudo isso em porção para 3 pessoas.

Pra beber, caipirinha feita com cachaça mineira de Salinas a R$ 18,50 e cerveja Heineken a 10 reais.

De sobremesa? Uma paçoquinha, que é cortesia da casa.

Costelas (Costela do Bel). Rua Amália de Noronha, 343, Pinheiros.

 

Meu relato selvagem no (d)reformado Frevinho

“Relatos Selvagens”, você sabe, é um filmaço argentino de 2014. Nas palavras do xará Miguel Barbieri Júnior, crítico de cinema da Vejinha, as seis histórias narradas “trazem a vingança e o humor como tema”. Foi indicado, merecidamente, ao Oscar de Filme Estrangeiro.

Lembra-se de “Um dia de Fúria”, com Michael Douglas? A cena na lanchonete? Pois é.

Quando saí do Espaço Itaú de Cinema, na Rua Augusta, e decidi seguir para o Frevo a fim de comer um beirute, senti-me mais ou menos como o personagem de Douglas e como o de Darín numa das histórias de “Relatos”. Até dois anos atrás, morei ali no bairro da Consolação e a dobradinha cinema + Frevinho era programa perfeito, porque não precisava pegar o carro. Era só caminhar, conversar sobre o filme e relaxar.

Algumas semanas antes eu havia passado por ali e visto que a fachada da lanchonete estava escondida por uns tapumes. Ou teria encerrado as atividades ou seria reformada, pensei.

De fato, foi reformada. E foi aí que comecei a me imaginar num cenário do filme que acabava de ver. A reforma ficou horrível. O ambiente retrô, as velhas mesas com a gradinha embaixo do tampo, tudo isso já era.

O salão agora ganhou uma iluminação exagerada e a acústica transforma qualquer conversa em gritaria. Quer comer um beirute em paz? Esquece.

Quer acabar com um endereço clássico? “Pergunte-me como”, dirão o dono e o arquiteto do Frevo.

À medida que caminhava em direção à única mesa disponível àquela hora do sábado, a última no fundo do salão, antes da escada e ao lado do extintor de incêndio (informação importante), minha irritação só aumentava.

Subiu alguns níveis quando uma garota, ao tentar se sentar na mesa de trás, deu um baita empurrão na minha cadeira.

E bateu no teto quando percebi que, além dela, outras quatro pessoas sem-noção tentavam se acomodar naquele mísero metro quadrado.

A gangue foi bem sucedida nesse intento, mas à custa do bloqueio de todo e qualquer acesso entre o ponto em que eu estava e o restante do salão.

Eu não tinha como sair do lugar, ou mesmo recuar 2 centímetros, e o garçom não conseguia chegar para tirar o pedido.

Olhei para o extintor de incêndio e pensei: “e se eu pegasse esse negócio e…”. Meu devaneio foi providencialmente interrompido pelo garçom, que havia conseguido serpentear o corpo magricela por entre as mesas e me entregava o cardápio.

Pedi um chope, um minibeiture de atum (felizmente preservados) e comentei com o velho garçom (felizmente preservados também) que eu havia reprovado a mudança. Ao mio que reconhecer este freguês de anos, ele confidenciou: “é… ficou péssimo!”

A franqueza revelada pela voz por trás daquela gravata borboleta soou como um consolo.

E tive a certeza de que a minha paciência, o meu humor, a minha sanidade são testados a partir do momento em que eu acordo.

Frevo. Rua Augusta, 1563, Consolação, tel. (11) 3284-7622.

O beirute e a gravata do garçom do Frevinho: clássicos / Foto Mario Rodrigues

O beirute e a gravata do garçom do Frevinho: clássicos / Foto Mario Rodrigues

Salvem os nossos Formigas

Domingo retrasado, depois de desembarcar em Guarulhos, resolvi desviar meu caminho para almoçar no Formiga, o velho restaurante instalado no Largo São José do Belém, ao lado da igreja.

Ao lado do finado vizinho Jacaré e do Peru’s (ou ‘Pirú’, para os locais), que mudou-se da Rua Júlio de Castilhos para a Cajuru, o Formiga formou a animalesca e histórica trinca gastronômica do bairro do Belém.

Dos três, como eu ia dizendo, o Jacaré não existe mais. O Peru’s fechou a porta vaivém, tipo Velho Oeste, do antigo endereço da Rua Júlio de Castilhos— que nos anos 80 acolhia em quase todos os sábados aos craques do Proálcool, lendário time de futsal que dominava a ZL, e do qual eu era mascote — para continuar montando o melhor churrasco (o sanduba) de São Paulo num imóvel maior, onde pode receber pequenas multidões em busca do cômodo bufê self-service.

O Formiga, por sua vez, resiste ao tempo com as mesmas características e cardápio que conheci nos meus tempos de moleque — a batata frita à portuguesa encontra poucas rivais na cidade. Minha filha tomou uma limonada bem docinha, eu bebi uma Serramalte (R$ 8), molhei o pãozinho crocante (fornecido pela Padaria Belga, que fica na esquina do largo com a Cajuru) no saboroso vinagrete, mas me decepcionei com o espetão misto (R$ 88), composto por contra-filé de péssima qualidade, lombo de porco aceitável e linguiça toscana das boas. Com os acompanhamentos, no caso arroz-de-carreteiro e legumes, a porção chega a alimentar três pessoas.

Ventiladores de parede, fotos de propaganda de banana split — da Yopa! — e duas TVs de 20 polegadas, daquelas de tubo, explicam o quero dizer com “resiste ao tempo”.

Em pleno domingão de sol, o salão comprido e escuro estava praticamente vazio. Um dos cozinheiros, da velhíssima guarda, me confessou: “o Formiga está mal cuidado… e já faz tempo”. Mas com certa dose de orgulho, contou-me: “certa vez, o Maluf patrocinou uma pizzada para 1200 pessoas aqui”.

O Formiga existe há 81 anos. Oitenta e um anos. Quantos bares e restaurantes paulistanos chegam dignamente a essa idade?

Precisamos salvar nossos Formigas.

Formiga. Largo São José do Belém, 177, Belém, tel. (11) 6693-1255.

Kebab à paulistana

 

Uns bons anos atrás, quando este blog ainda estava hospedado no site da Vejinha, escrevi a respeito das casas especializadas em kebab que, na época, brotavam pela cidade.

Minha opinião não mudou de lá para cá: entendo que kebab é comida de rua e, como tal, dispensa maiores frescuras no preparo, o que ajuda a tornar a receita uma opção barata de comida, como acontece em qualquer grande cidade da Europa, por exemplo. Por lá, quem cobrar mais de 4 euros por um desses lanches correrá o risco de falir, pois no quarteirão seguinte a banquinha concorrente cobrará 3 euros.

Daquela moda gastronômica, que meio que prenunciou a era da gourmetização de tudo, restaram poucas dignas de nota, entre as quais incluo o Pita Kebab Bar, ao qual voltei ontem, depois de todo esse interlúdio.

Fiquei contente ao ver que a casa prosperou, cresceu, tornou-se um agradável bar e que mantém, em alguns detalhes, uma identidade gastronômica alinhada com o que se come e se bebe em alguns lugares do Oriente Médio, berço do kebab.

Uma vez que eu não podia beber nada alcoólico, pedi uma limonada, que a casa serve em um copo grande, temperada com folhas de hortelã. Uma delícia (R$ 5,50).

O kebab de cordeiro, também bem-feito, veio enrolado num pão tipo pita bem fresco, misturado aos temperos de praxe e picles, o que deu um sabor mais ácido (R$ 20) ao meu sanduba (será que posso chamar assim?). Os nacos de carne estavam bem macios, em que pese o fato de terem sido preparados naqueles típicos espetos giratórios, que às vezes acabam deixando a carne ressecada, por causa das horas de exposição no mecanismo.

Pita Kebab Bar. Rua Francisco Leitão, 282, Pinheiros, tel. (11) 3774-1790.

Um voto para a picanha do Fuad

 

Com o início do horário eleitoral gratuito na TV e no rádio, dei-me conta que esta será a primeira eleição sem a presença de Fuad Sallum, mentor do Esquina Grill do Fuad, talvez o boteco mais tradicional da região de Santa Cecília.

Em eleições anteriores, era batata: político que estivesse em campanha e quisesse arranjar uns votos a mais ou fazer uma média com os eleitores da área, tinha de tirar uma foto ao lado de Fuad Sallum, que dirigiu o conselho de segurança do bairro. Estão lá na parede do bar que ocupa a esquina das ruas Martim Francisco e Imaculada Conceição, registros do anfitrião ao lado de representantes da esquerda à direita, de Paulo Maluf a Dilma Rousseff.

Fuad Sallum morreu em 2013 e o bar mantém-se sob comando da família. Na parede central do salão reformado, branquinho da silva, chama atenção a churrasqueira, da qual saem porções generosas de carnes, que acabam por perfumar com cheiro de brasa quem se instala por ali. É por isso que prefiro esperar sempre, no frio ou no calor, por uma das mesas da calçada.

Estive lá algumas semanas atrás, numa tarde de domingo, e comecei pelos pasteis de carne, queijo e palmito (R$ 8,40 a porção com uma unidade de cada sabor). Na dúvida entre  a picanha saralho (servida no réchaud coberta com alho dourado) e o chuletão na brasa, optei pelo plano C, a picanha a la Ronaldo (R$ 67,90). Duas pessoas traçam com tranquilidade o corte servido em fatias, com arroz-de-carreteiro, agrião e um bolinho de mandioca bem gostoso. A carne não é a melhor do mundo, mas a pedida (ao ponto para mal-passado, não se esqueça) tem um ótimo custo-benefício, também por causa dos acompanhamentos.

Esquina Grill do Fuad. Rua Martim Francisco, 244, Santa Cecília, tel. (11) 3666-4493, www.esquinagrill.com.br.

 

 

 

 

O duelo das porchettas: Nova York x Itapecerica da Serra

Foi meu compadre Caio Mariano quem recomendou, de última hora, pelo what’sapp: “tenta ir no Porchetta”. Era meu penúltimo dia em Nova York e, ao ler a dica dele pensei: Caio não blefa, restam-me umas horinhas, vou fazer de tudo para ir lá.

E fui, e aproveitei para me encontrar com duas amigas ali, na porta do que eu imaginava ser um restaurante italiano. E tomei uma surpresa: até agora tenho dúvidas se o Porchetta é um restaurante (pequeno demais para isso, com assentos apenas em dois balcões internos e do lado de fora) ou um bar (não pode ser, pensando bem, já que não vi muita coisa para beber). Talvez seja uma lanchonete. O fato é que é o chamariz da casa é a receita da porchetta alla romana — na verdade o bar-restaurante-lanchonete prepara também um sanduíche de frango com acompanhamentos.

Originária da Emilia-Romagna, no centro da Itália, a porchetta é um corte que pega toda a lateral de um leitão, que por sua vez vai ao forno completamente desossado. A pele, porém, é mantida. Após muitas horas, umas cinco, pelo menos, assando a uma temperatura de 250 graus, essa capa ganhará uma deliciosa consistência de pururuca — generosamente, o Porchetta publica em seu site a receita.

Eu pedi a versão sanduba — do mesmo modo como se come nas ruas da região de Roma (12 dólares) — e a carne estava com uma textura macia, enriquecida pelo bom tempero de alecrim e outras ervas. O pão ciabata, crocante, era dos bons, menos aerados do que as ciabatas que costumamos comer nas padocas de São Paulo.

Essa surpresa novaiorquina me fez lembrar da primeira vez que provei a porchetta: foi na costelaria Rancho do Vinho, em Itapecerica da Serra. Faz uns quinze anos, eu era repórter da Playboy e havia ido até lá para experimentar a costela e conferir a adega da casa que, na ocasião, guardava uma considerável oferta de vinhos brasileiros.

Lembro-me do proprietário e chef Celso Frizon tirando lasca por lasca do interior da porchetta exposta no meio do salão desse restaurante à beira da rodovia Régis Bittencourt. A carne saia úmida, branquinha e muito bem temperada para rechear as duas bandas de pão francês.

Celso continua preparando a própria versão da porchetta alla romana, mas apenas sob encomenda e no Dr. Costela, novo nome do Rancho do Vinho. Para a receita, Celso lança mão de leitõezinhos de 7 a 8 quilos. Recheados com carne suína selecionada, ervas frescas, embutidos e outros temperos, a porchetta chegará aos 15 quilos e ficará pronta depois de 17 horas de forno. Por cada quilo, Celso cobra 65 reais.

Qual das duas é a melhor? A menos que você consiga ir a Nova York, confie em mim: sinceramente, temos aqui um empate.

Porchetta. 110 East 7th Street, Nova York, tel. 212-777-2151, http://www.porchettanyc.com

Dr. Costela. Rodovia Régis Bittencourt, quilômetro 293,5, Itapecerica da Serra (SP), tel. (11) 4147-1557, http://www.drcostela.com.br.

 

5 botecos a caminho do Itaquerão *

Nos arredores da estação Artur Alvim do metrô, na qual, recomenda-se, devem descer os torcedores que vão acessar o setor oeste do Itaquerão, até os botequins têm padrão Fifa. Uniformizados, muitos deles, ao menos os que se colocam na rota de quem chega e sai do estádio, tiveram suas fachadas pintadas de vermelho – cor predominante da cerveja Brahma e da Coca-Cola, marcas que patrocinam a Copa do Mundo.

Em dias de jogos do Mundial na Arena de São Paulo, esses bares têm ganhado mais movimento, sobretudo de turistas estrangeiros. “Já atendi ingleses, holandeses e chilenos”, disse-me o garçom do Bola Bar, situado dois quarteirões acima da estação do metrô.

No dia do jogo Bélgica e Coreia do Sul, aproveitei para dar uma volta e conhecer a vizinhança de Artur Alvim, região que leva o nome do engenheiro-chefe da antiga companhia férrea. Foi ele quem projetou a malha ferroviária naquela região da ZL paulistana.

Um quarteirão acima, próximo à entrada principal do condomínio Santa Bárbara, de predinhos ao estilo Cohab, deparei-me com uma pracinha, no entorno da qual circulavam alguns ônibus e lotações. Vi um SRD guiado por sua dona ceder à provocação de um vira-latas liberto, crianças brincando na gangorra e balançando sobre um pneu amarrado a uma árvore, em frente a uma imobiliária que anunciava apartamentos “grandes” ao preço de “médios” na Cohab I (ou seja, 195.000 reais, e diante de pequenos estabelecimentos comerciais, todos vizinhos de parede: uma assistência técnica de eletrodomésticos, uma lan house e o Xaveco’s, um dos cinco bares que descrevo a seguir.

Xaveco’s

Morador do condomínio Santa Bárbara, que fica a não mais de 100 metros do bar, o sergipano  Carlos Alberto Santos é quem comanda o bar. Santos me contou que vive em São Paulo desde 1973 e que abriu o negócio 25 anos atrás. Ele próprio decorou as paredes e o teto dos 9 ou 10 metros quadrados do lugar com objetos de toda sorte, recolhidos em suas viagens para pescar ou presenteados por amigos: bonecas, luvas de boxe, um tatu empalhado, um pedaço de couro de onça e até um chifre de rinoceronte, arrematado de um amigo que viajou à África estão entre as dezenas de quinquilharias. É por causa dessa decoração que ele não serve comida ali, apenas uns traguinhos: caipirinha (10 reais) e cerveja (Brahma e Skol a 7 reais; Seramalte e Original a 8 reais), por exemplo. Carlos Alberto é irmão do ex-meia Antonio Carlos, que nos anos 80 atuou pelo Mogi Mirim, o América do México e o Botafogo carioca. “Ele jogou com o finado Berg, o Josimar e o Alemão”, disse-me. O outro irmão, Paulo Santos, também foi jogador e fez carreira em times de Sergipe, como o Itabaiana e o Lagarto. E por que Carlos Alberto não seguiu o mesmo caminho da família?  “Mano, sou ruim de bola. Mas joguei capoeira”, contou-me.

foto (4)

Xaveco’s Bar. Rua Maria Eugênia Celso, 91-A (em frente à Praça Augusto Rodrigues de Souza). 10h às 14h e 16h à 0h.

Fotos Miguel Icassatti

Bola Bar

Cheguei ao Bola, duas quadras acima da saída do metrô e cuja fachada foi pintada de vermelho, guiado pelos decibéis emitidos (muito acima do suportável) por um carro de som estacionado em frente ao bar. “A Brahma tá bancando”, disse-me o garçom. E o Bola até que se preparou para a Copa: instalou um telão e deixou dois aparelhos de TV ligados na programa. A seleção musical era um pot-pourri de sertanejo, arrocha e até pagode cantado em inglês, estilos bem distintos do que faz supor quem chega ali e repara na decoração, pontuada por painéis fotográficos com imagens de um sorridente Mick Jagger, Beatles, Elvis e Freddy Mercury. Às sextas e sábados, vi num cartaz, há pop e rock ao vivo e aos domingos, sertanejo. No sábado, aliás, a casa fica bem cheia, disse o garçom que me serviu um passável churrasquinho no pão, graças à feijoada (16 reais, para um comensal; 25 reais para dois; 39 reais para quatro). Fiquei curioso para conferir a porção de batata frita servida na telha, com bacon (19 reais) e parmesão (16 reais).

foto (6)

Bola Bar. Rua Maria Eugênia Celso esquina com Rua Inês Monteiro, tel. (11) 2742-3111.

Casa das Empadinhas

Na movimentada via que sai da estação de metrô, e na qual os pedestres em marcha pelo meio-fio parecem ter transformado em um calçadão, essa lanchonete se destaca por suas estufas que exibem salgados às centenas: coxinhas, quibes, bolinhas de queijo e empadinhas em versão miniatura, a preço único de 70 centavos (ou três unidades por 2 reais). Atenta ao fluxo de gringos famintos, a gerência até arriscou descrever em inglês, num destacado papelzinho cor de rosa, o conteúdo de alguns dos itens, caso dos croquetes de carne (meat), das empadinhas de frango (chicken) e das de palmito (palmito, em vez de palm heart).

foto (7)

Casa das Empadinhas. Rua Doutor Campos Moura, 295.

ScarBar

“É fiscalização?”, perguntou-me o dono do bar, Wilson, desconfiado, ao ver-me chegando ao balcão, depois de eu ter tirado uma foto da fachada do boteco. Ao saber que eu estava fazendo uma reportagem, relaxou: “A ficha do bilhar é R$ 1,50, mas já vou parar o jogo para que a freguesia assista ao jogo”. Sobre a grelha da churrasqueira, já em cinzas, vi espetinhos esturricados de carne e de linguiça (4 reais cada um) e, na estufa, duas ou três costelinhas de porco e uma pequena montanha de torresmos gigantes (3,50 reais cada um). Na outra ponta do balcão pude ver uma turma devorando cumbucas de caldinho de mocotó, a 7 reais cada uma, mesmo preço da de feijão e da de vaca atolada (mandioca com costela). Para beber, cerveja Skol e Budweiser a 10 reais o litro, além de Skol e Brahma a 7 reais (a garrafa de 600 mililitros). “Esse é o preço de Copa”, explicou-me, dizendo que ao fim do evento vai baixá-los.

foto (9)

ScarBar. Rua Doutor Campos Moura, 75-B, tel. (11) 3747-5264. 10h/1h (fecha segunda).

Arena Sports Bar

Dos mesmos donos do Bola Bar, o Arena foi aberto em abril de 2014, com vista para a estação de metrô. Tem um ambiente “mais social”, conforme me havia dito o garçom do Bola Bar. Por mais social, entenda-se um salão com um balcão de pedra e uma chopeira, mesinhas de madeira escura, elemento, aliás, que permeia a decoração, que está tinindo de nova. Os preços, ali, são mais elevados: o chope, por exemplo, sai por 5,90 reais e, nos dias de jogo, é servido lamentavelmente em copo de plástico. A caipirinha custa 14,90 reais e os espetinhos, 3,90 reais (de carne, frango e coração). Têm feito sucesso, disse-me o garçom, as porções de  bolinhos de mandioca com carne seca (26,90 reais, com 8 unidades) e a de picanha no réchaud (67,90 reais). Mas àquela hora, com os times de Bélgica e Coreia do Sul perfiladas para cantarem o hino de seus países, ninguém comia. Enquanto a rapaziada postava-se nas mesas mais próximas ao telão, com copos de cerveja ao lado, em uma mesinha de canto próximo à janela, duas garotas tomavam refrigerante e bisbilhotavam nos respectivos aparelhos de celular.

foto (8)

Arena Sports Bar. Avenida Doutor Luiz Aires, 1618, tel. (11) 2639-0462

*publicado por este blogueiro originalmente no blog Clima de Copa, no site de PLACAR