Del Mar, eterno

 

Coleção de microlatinhas, o bolinho de bacalhau e o salão do Del Mar / Fotos: Miguel Icassatti

Confesso, sou daqueles que e romanceia e vê poesia no centro de São Paulo, ainda que reconheça que anda mal cuidado e sujo – e há muito tempo. Mas o centro de São Paulo é a região mais legal da cidade, disso não tenho dúvida, especialmente para beber e para comer.

E não me refiro às boas novidades, não, mas a lugares clássicos, aos quais sempre retorno para conferir como andam.

Um desses lugares que me fazem voltar sempre ao centro é o Del Mar. Foi aberto em 1982, e fica muito perto do pai de todos os botecos paulistanos, o Bar Leo, ali na região da Santa Ifigênia (que bobagem, aliás, essa história de Bar Leo na Vila Madalena…).

Trata-se, vamos dizer, de um boteco com cardápio à espanhola e chope à brasileira – para mim, é um dos 5 melhores chopes do mundo, não tenho dúvida.

Espuma cremosa, lisinha, colarinho largo, leve amargor, perfeito.

Os comes merecem atenção: a começar pela lula recheada, que vem em porção de 4 unidades. Elas vêm recheadas com os próprios tentáculos, com alho poró, pão preto e uma redução de vinho branco.

O nome, Del Mar, embora faça de alguma forma referência à especialidade da casa – que é a paella valenciana, a 69 reais, repleta de frutos do mar, num prato para duas pessoas, servida no almoço de segunda a sábado – é a mistura dos nomes dos fundadores, o Delta e o Mario.

Um deles morreu há uns 20 anos, o outro passou o negócio adiante e o boteco segue firme e forte, embora tenha deixado para trás alguns itens do cardápio, dos quais eu gostava muito, caso do puchero e dos bolinhos de bacalhau em miniatura, que eram simplesmente espetaculares.

Hoje o bolinho é vendido em porção de 8 unidades,  e são gostosos, sim – aliás, eu dou uma de Migué toda vez que vou lá e pergunto pro garçom: “Então, vocês não fazem mais aqueles minibolinhos de bacalhau deliciosos?”

Vai que um dia voltam a fazer, né?

Del Mar. Rua dos Andradas, 161, Santa Ifigênia (centro).

 

Picco e a pizza do domingo

 

Negroni e pizza Formaggi (4 queijos) do Picco / Foto: divulgação facebook

Houve uma época, ali pelo meio dos anos 1990, em que São Paulo ganhou uma série de casas no estilo pizza-bar. Ou seja, que serviam pizza no tamanho individual acompanhada de várias opções de bebida e, em geral, num ambiente mais descontraído, sem forro xadrez, menos tradicional, digamos assim.

Alguns já nem existem mais – caso do Javatea, na Vila Olímpia, que lotava nas noites de domingo – e outros ainda resistem, como o Carcamano, na Vila Mariana, e a Cristal Pizza Bar, nos Jardins.

Pois a esse time junta-se o Picco, um pizza bar em Pinheiros muito legal. E, definitivamente, contraindicado para quem, como eu, tem filho bem pequeno. Se bem que o barulho não impediu que minha caçula dormisse no carrinho, nas duas vezes em que estive ali

Tem um salão apertadinho, meia-luz, um piano (aos domingos costuma rolar concerto), rock nas caixas e um quintal com área ao ar livre e uma mesa comunitária no fundo. Uma delícia de lugar.

E com boas pizzas, à moda napolitana, muito leves, as quais se deve comer com a mão pois não há talheres. Eu gostei muito da Vero Napoli, que tem molho de tomate, mussarela, alho em lâminas, aliche, manjericão e parmesão salpicado. Custa 37,90.

E o que eu achei muito boa ali é a seleção de drinques, bem feitos, e com preço abaixo do que a gente costuma ver nos bares que alardeiam a sua coquetelaria.

O primeiro foi o Petruchio – até veio por engano, porque não gosto de drinque muito doce – mas eu encarei, porque é refrescante. Leva gim, aperol, suco de limão siciliano, bitter de laranja e clara de ovo. Custou-me 18,50.

Em seguida, um negroni (que é feito com gim, vermute tinto, campari e bitter de laranja), a 18,90.

Como eu disse, só não recomendo pra quem tem de circular por aí pilotando carrinho de bebê porque tive de pedir para umas 5 pessoas levantarem das mesas pra eu poder passar. Mas antes isso do que ficar em casa, né?

Picco. Rua Lisboa, 294, Pinheiros.

 

 

 

A costela do Belchior

 

Aquele Belchior, o rapaz latino-americano sem dinheiro no banco, é outro, e foi pro céu dia desses, grandissíssimo compositor!

No caso, o da costela, que mencionei no título deste texto, é o Belchior de Freitas Soares, mais conhecido como Bel, o dono de um boteco bem pequeno em Pinheiros, escondido no meio de um quarteirão, num salão simples e estreitinho (foto).

Aliás, o Bel se gaba de fazer “a melhor costela no bafo do mundo”. Ele é fornecedor de bares nas vilas Madalena e Mariana, inclusive.

Não acho que seja a melhor do mundo – não chega perto do matambre que meu finado tio Artur fazia -, mas a carne estava bem macia na visita que fiz recentemente.

Na verdade, foi a segunda vez que estive lá – e da primeira, havia levado para viagem uma costela muito suculenta, úmida, limpa (isto é, sem gordura)  e, sim, deliciosa.

Desta vez, pedi um PF de costela, que veio com arroz, feijão e mandioca frita (R$ 18,98). Vem com uma porção pequena de arroz e feijão, mas se você quiser repetir, basta pedir que o Bel traz, sem cobrar nada a mais. Temperei a costela (que fica 15 horas em cozimento, segundo o Bel, apenas com sal grosso, ervas e cebola) com a pimentinha e a farinha da casa e foi mesmo uma delícia.

Tem também costela servida na panela de pedra sabão (por 75 reais), costelinha de porco com barbecue (85 reais), vaca atolada (cozida com mandioca, 75 reais) e até ossobuco cozido na cerveja preta (68 reais) – tudo isso em porção para 3 pessoas.

Pra beber, caipirinha feita com cachaça mineira de Salinas a R$ 18,50 e cerveja Heineken a 10 reais.

De sobremesa? Uma paçoquinha, que é cortesia da casa.

Costelas (Costela do Bel). Rua Amália de Noronha, 343, Pinheiros.

 

Quer saber o que é um Boteco de verdade? Vá ao Bar do Luiz Nozoie

IMG_1306

Fazia tempo que eu devia a mim mesmo um retorno a este que é um dos botecos mais clássicos da cidade de São Paulo, e um dos meus preferidos, por sinal.

Estou falando do Bar do Luiz Nozoie, no Bosque da Saúde.

Luiz Nozoie é um nissei que abriu este bar em 1962. E que levou a família para trabalhar com ele. A finada e fiel companheira, Dona Shizue, tomou conta da cozinha – que Deus a tenha -, que hoje está sob a batuta da filha, Marcia.

O Bar do Luiz Nozoie é um lugar muito simples, a decoração parece ser a mesma desde os tempos da inauguração, original – sequer há placa na porta.

Não importa. É um boteco obrigatório.

Conheci o Bar do Luiz Nozoie em 1998, quando fiz minha primeira reportagem lá. Era apenas Bar do Luiz. Por um imbróglio jurídico e mesquinho do Bar Luiz, do Rio de Janeiro, o boteco da Saúde ganhou o sobrenome ali por volta dos anos 2000 e pouquinho.

Marcia herdou de dona Shizue, que morreu há uns dez anos, a tarefa de preparar os pasteizinhos, que mais parecem rissoles, e que levam até cerveja na massa. Tem de carne, de queijo e de camarão, 3 reais a unidade – CUIDADO COM O CAROÇO DA AZEITONA!

Seu Luiz já não desce ao Guarujá para pescar – seus troféus de pesca estão expostos numa prateleira – os peixes-espada e as prejerebas que trazia para dona Shizue preparar, mas os espetinhos de peixe ainda fazem sucesso. Assim como a rã à milanesa, 15 reais.

Em cima do balcão ficam expostas em caixas de vidro, diversas conservas, queijos e porções frias, para que você monte um pout-pourri.

Uma fatia de lombo de porco temperado com ervas, por exemplo, sai por 1,50 real.

O jiló recheado com uma espécie de chutney picante de cebola custa 3 reais a unidade e é sensacional!

Entre as bebidas, a Serramalte está 13 reais.

E por falar em cerveja, muitos anos atrás, o seu Luiz construiu uma engenhosidade, pra resfriar a cerveja rapidinho.

Ele encheu uma antiga máquina de armazenar sorvete com uma solução de muito gelo, álcool e sal e passou a mergulhar um samburá, uma cesta de pesca cheia de garrafas de cerveja e em 15 minutos conseguia gelar a garrafa.

O seu Luiz Nozoie está com 87 anos e ainda dá expediente no bar, às segundas, terças, quintas e sextas.

Botequeiro que se preze tem de conhecer este grande boteco de São Paulo, agradecer e pedir a bênção a Luiz Nozoie San.

Bar do Luiz Nozoie. Avenida do Cursino, 1210, Bosque da Saúde

Nos bares, com San Valentín

Igreja-san-valentin

Meu reencontro com Madri, depois de quase nove anos, foi brevíssimo, um dia e meio, conforme vou contar na edição da Revista GOSTO que chegará às bancas daqui a uma semana.

Mas como na primavera da Europa os dias já se estendem até 9, 10 da noite, o convite para zanzar está feito. Ou seja, tive pouco tempo, mas ele ‘rendeu’, como diz minha mãe.

E, em Madri, entendo que zanzar significa dar um rolê por quantos bares conseguir, numa mesma tacada. Em Chueca – o bairro gay, moderno, turístico, hipster, seja lá o que for – essa tarefa fica mais fácil porque há um monte deles, o que é bom para quem está sozinho, o que era o meu caso.

Nesses bares de tapas, como o El Tigre, o lance é encostar na barra (o balcão) e pedir uma caña (copo de chope). Em segundos, o atendente colocará à sua frente um pratinho com uma croqueta de jamón e um pedaço de tortilla. Você desembolsará uma moeda de 1 ou 2 euros, agradecerá e seguirá seu rumo.

Vai entrar no segundo, que pode ser o Bodega de la Ardosa, um boteco excepcional na ativa desde 1892, e pedir um copo de Rioja Crianza na barra. E o barman virá com umas azeitonas e um naco de pão. Mais 3 euros, gracias e… próximo.

Bodega-ardosa

Era perto de 2 da manhã de segunda para terça da semana passada e eu voltava a pé para o hotel, depois desse périplo. Ao passar em frente à Igreja de San Antón, vi que estava aberta. Atenção: 2 da manhã! Entrei, caminhei pelos altares laterais até chegar ao dedicado a San Valentín.

Segundo a tradição católica, San Valentín era um soldado romano que casava jovens romanos no século III, opondo-se à determinação do imperador Claudio II, que havia proibido os matrimônios por achar que os soldados solteiros eram mais valentes no campo de batalha. Morreu decapitado em 14 de fevereiro do ano 270  tornou-se o padroeiro dos namorados. Razão pela qual em muitos países o dia dos namorados é celebrado em 14 de fevereiro, dia de San Valentín.

No altar, há uma câmara com uma ossada, atribuída ao santo protetor dos namorados. Há quem questione a originalidade dessas relíquias, mas o fato é que elas podem ser vistas por quem quiser, 24 horas por dia, 365 dias por ano. A igreja está sempre aberta, atendendo um pedido do Papa Francisco, para que os templos estejam sempre de porta aberta. Tem wi-fi, sacerdotes de plantão para conferir os sacramentos a qualquer hora e até um serviço de confissão por iPad.

Nada mais moderno e revolucionário, porém, do que a porta aberta.

Feliz Dia dos Namorados.

Beba duas vezes por semana e seja feliz

Happy hour: duas vezes por semana, no mínimo / Foto: Romero Cruz

Happy hour: duas vezes por semana, no mínimo / Foto: Romero Cruz

A Organização Mundial de Saúde e entidades científicas internacionais de grande reputação, como o hospital da Universidade Johns Hopkins e a American Dietetic Association — além da minha nutricionista, a quem tive de recorrer no início desta semana depois que levei um presta-atenção do meu check-up mais recente por causa do colesterol —, recomendam os benefícios do vinho tinto para combater inimigos como as placas de gordura nas veias, a má circulação sangüínea e o mais ardiloso de todos os vilões (ao menos, no meu caso), o mau colesterol.

Na consulta de segunda-feira passada, Livia, a nutricionista, me deu o aval: “tudo bem, pode beber uma a duas taças de vinho por dia, não tem problema.”

Ok, para mim a boa notícia não era exatamente tão nova assim. Tipo, eu-já-sabia! Mesmo assim, meus olhos brilharam, ela há de ter percebido. Afinal, agora eu tinha um aval científico dito em alto e bom som.

Devo tamanha alegria aos queridos resveratrol e aos flavonoides, compostos presentes na uva, que têm respectivamente ação antioxidante e favorecem a produção de colesterol bom no  fígado.

Além dessa preciosa confirmação, dez dias atrás um interessantíssimo estudo comandado pelo neurocientista Robin Dunbar, da Universidade de Oxford foi divulgado. (Leia a notícia, em inglês, aqui.)

De acordo com Dunbar, homens que saem duas vezes por semana para beber com os amigos tendem a ter uma saúde melhor, a se recuperar mais rapidamente de doenças e a ser mais generosos.

Convenhamos, duas noitadas por semana em companhia dos amigos não farão mal a nenhum relacionamento.

Moderação e equilíbrio, no bar e na vida, não fazem mal a ninguém.

 

Sabiá desafinado

Sabiá: nem tão bom, nem tão ruim / Foto: Mario Rodrigues

Sabiá: nem tão bom, nem tão ruim / Foto: Mario Rodrigues

Dias atrás, fiquei no trabalho até mais tarde para evitar, na volta para casa, os transtornos decorrentes de mais uma manifestação na Paulista. Bateu a fome e tive de caçar algum bar com a cozinha aberta depois da meia-noite.

Eu não voltava ao Sabiá desde 2008, 2009, por aí. O salão vivia vazio, até que, de fato, fechou. O bar foi reaberto em 2011 e desde então uns amigos vinham comentado que, agora sim, o bar estava enchendo, legal e tal, e resolvi passar por lá.

O apetite, dizem, é o melhor cozinheiro. Mas convém não abusar de sua boa vontade, certo?

Pois é. Cheguei com fome e com sede e logo pedi um chope (bem tirado, R$ 5,50) e um pastel de camarão (gostoso, bem recheado, R$ 8,00).

Com o estômago já tranquilizado, relaxei e pedi uma dose de Claudionor (R$ 6,30), mais um sanduíche de bife à milanesa com rúcula (R$ 20,00).

Mas errei feio na pedida. E o bar desafinou legal na produção do sanduba. A começar pelo pão, que veio um pouco murcho. Para mim, se estiver 0,1% murcho, já é razão para reprovar. Com pão eu não brinco. E o recheio, confesso, me decepcionou. Faltou sal, tempero, sabor. Não valem os R$ 20,00 cobrados.

Antes de ir embora, tive tempo de flagrar algo que não gostaria. Eu estava aguardando pela nota fiscal, no caixa, quando vi um garçom devolvendo um copo de caldinho de feijão para o cozinheiro. O freguês havia reclamado da temperatura. Em vez de servir uma porção nova, aquecida, direto da panela, o que fez o cozinheiro?

Mandou pro microondas. Imperdoável.

Sabiá. Rua Purpurina, 370, Vila Madalena, tel. (11) 3032-1617.