Del Mar, eterno

 

Coleção de microlatinhas, o bolinho de bacalhau e o salão do Del Mar / Fotos: Miguel Icassatti

Confesso, sou daqueles que e romanceia e vê poesia no centro de São Paulo, ainda que reconheça que anda mal cuidado e sujo – e há muito tempo. Mas o centro de São Paulo é a região mais legal da cidade, disso não tenho dúvida, especialmente para beber e para comer.

E não me refiro às boas novidades, não, mas a lugares clássicos, aos quais sempre retorno para conferir como andam.

Um desses lugares que me fazem voltar sempre ao centro é o Del Mar. Foi aberto em 1982, e fica muito perto do pai de todos os botecos paulistanos, o Bar Leo, ali na região da Santa Ifigênia (que bobagem, aliás, essa história de Bar Leo na Vila Madalena…).

Trata-se, vamos dizer, de um boteco com cardápio à espanhola e chope à brasileira – para mim, é um dos 5 melhores chopes do mundo, não tenho dúvida.

Espuma cremosa, lisinha, colarinho largo, leve amargor, perfeito.

Os comes merecem atenção: a começar pela lula recheada, que vem em porção de 4 unidades. Elas vêm recheadas com os próprios tentáculos, com alho poró, pão preto e uma redução de vinho branco.

O nome, Del Mar, embora faça de alguma forma referência à especialidade da casa – que é a paella valenciana, a 69 reais, repleta de frutos do mar, num prato para duas pessoas, servida no almoço de segunda a sábado – é a mistura dos nomes dos fundadores, o Delta e o Mario.

Um deles morreu há uns 20 anos, o outro passou o negócio adiante e o boteco segue firme e forte, embora tenha deixado para trás alguns itens do cardápio, dos quais eu gostava muito, caso do puchero e dos bolinhos de bacalhau em miniatura, que eram simplesmente espetaculares.

Hoje o bolinho é vendido em porção de 8 unidades,  e são gostosos, sim – aliás, eu dou uma de Migué toda vez que vou lá e pergunto pro garçom: “Então, vocês não fazem mais aqueles minibolinhos de bacalhau deliciosos?”

Vai que um dia voltam a fazer, né?

Del Mar. Rua dos Andradas, 161, Santa Ifigênia (centro).

 

Picco e a pizza do domingo

 

Negroni e pizza Formaggi (4 queijos) do Picco / Foto: divulgação facebook

Houve uma época, ali pelo meio dos anos 1990, em que São Paulo ganhou uma série de casas no estilo pizza-bar. Ou seja, que serviam pizza no tamanho individual acompanhada de várias opções de bebida e, em geral, num ambiente mais descontraído, sem forro xadrez, menos tradicional, digamos assim.

Alguns já nem existem mais – caso do Javatea, na Vila Olímpia, que lotava nas noites de domingo – e outros ainda resistem, como o Carcamano, na Vila Mariana, e a Cristal Pizza Bar, nos Jardins.

Pois a esse time junta-se o Picco, um pizza bar em Pinheiros muito legal. E, definitivamente, contraindicado para quem, como eu, tem filho bem pequeno. Se bem que o barulho não impediu que minha caçula dormisse no carrinho, nas duas vezes em que estive ali

Tem um salão apertadinho, meia-luz, um piano (aos domingos costuma rolar concerto), rock nas caixas e um quintal com área ao ar livre e uma mesa comunitária no fundo. Uma delícia de lugar.

E com boas pizzas, à moda napolitana, muito leves, as quais se deve comer com a mão pois não há talheres. Eu gostei muito da Vero Napoli, que tem molho de tomate, mussarela, alho em lâminas, aliche, manjericão e parmesão salpicado. Custa 37,90.

E o que eu achei muito boa ali é a seleção de drinques, bem feitos, e com preço abaixo do que a gente costuma ver nos bares que alardeiam a sua coquetelaria.

O primeiro foi o Petruchio – até veio por engano, porque não gosto de drinque muito doce – mas eu encarei, porque é refrescante. Leva gim, aperol, suco de limão siciliano, bitter de laranja e clara de ovo. Custou-me 18,50.

Em seguida, um negroni (que é feito com gim, vermute tinto, campari e bitter de laranja), a 18,90.

Como eu disse, só não recomendo pra quem tem de circular por aí pilotando carrinho de bebê porque tive de pedir para umas 5 pessoas levantarem das mesas pra eu poder passar. Mas antes isso do que ficar em casa, né?

Picco. Rua Lisboa, 294, Pinheiros.

 

 

 

De volta ao Joan Sehn, em Moema

 

joan_sehn

Joan Sehn / Foto: facebook.com/joansehn

 

A zona sul de São Paulo, naquele imenso pedaço que vai de Moema a Santo Amaro, sempre foi um reduto de bares e restaurantes inspirados na culinária alemã. Alguns ainda resistem, como o Zur Alten Muhle (no Brooklin), o Bierquelle, o Konstanz e o Whinduk, em Moema.

Outros já se foram, casos do Zillerthal e do Choppinho´s.

E há aqueles que ressuscitaram – ou foram ressuscitados – casos do Ilhabela (que não está mais na João Dias, no entanto) e do Joan Sehn.

O Joan Sehn original foi fundado em 1937 e encerrou as atividades em 2010, para que o ponto desse lugar a um empreendimento imobiliário.

Durante muito tempo, foi a choperia mais antiga em atividade em São Paulo, e recebia muitos boêmios em seu salão gasto, compridão, com a cara de bar alemão.

Pois a casa foi reaberta há pouco mais de um ano, pelas mãos da antiga proprietária, e, desta vez, só não teve vida curta porque antigos frequentadores do Joan Sehn se uniram e compraram o bar, mantendo-o em atividade.

Estive lá e pude perceber que, sim, há certos elementos que aludem à antiga choperia, mas, a bem da verdade, o que tinha de ficar no passado, ficou.

Embora esteja localizado na mesma rua de antes, a atmosfera é outra, assim como a decoração. As paredes são forradas por lambe-lambes alusivos à uma marca de cerveja, há duas TVs no fundo do salão e piso de cimento queimado.

A lembrança do passado vem graças ao balcão extenso, do lado esquerdo de quem entra, onde ficam os frios que serão servidos em porções e a chopeira.

Da equipe antiga, aliás, foi recrutado o Ribeiro, que é o cortador oficial de frios.

O cardápio também recupera os itens que eram clássicos no velho Joan Sehn, tipicamente alemães. Por exemplo, o mix de salsichas, o frikadel (um bolinho de carne temperado com especiarias, e o currywurst, que foi o que eu comi e me fez lembrar dos botecos (ou knipes) aos quais vou, quando visito minha irmã na Alemanha. É uma porção de salsicha branca grelhada, com molho picante e mostarda. Vem com batata frita.

E tem o chope, é claro, bem tirado. Aos nostálgicos, como eu, ou a quem não conheceu o velho Joan Sehn, vale a visita.

Joan Sehn. Avenida Lavandisca, 477, Moema.

A costela do Belchior

 

Aquele Belchior, o rapaz latino-americano sem dinheiro no banco, é outro, e foi pro céu dia desses, grandissíssimo compositor!

No caso, o da costela, que mencionei no título deste texto, é o Belchior de Freitas Soares, mais conhecido como Bel, o dono de um boteco bem pequeno em Pinheiros, escondido no meio de um quarteirão, num salão simples e estreitinho (foto).

Aliás, o Bel se gaba de fazer “a melhor costela no bafo do mundo”. Ele é fornecedor de bares nas vilas Madalena e Mariana, inclusive.

Não acho que seja a melhor do mundo – não chega perto do matambre que meu finado tio Artur fazia -, mas a carne estava bem macia na visita que fiz recentemente.

Na verdade, foi a segunda vez que estive lá – e da primeira, havia levado para viagem uma costela muito suculenta, úmida, limpa (isto é, sem gordura)  e, sim, deliciosa.

Desta vez, pedi um PF de costela, que veio com arroz, feijão e mandioca frita (R$ 18,98). Vem com uma porção pequena de arroz e feijão, mas se você quiser repetir, basta pedir que o Bel traz, sem cobrar nada a mais. Temperei a costela (que fica 15 horas em cozimento, segundo o Bel, apenas com sal grosso, ervas e cebola) com a pimentinha e a farinha da casa e foi mesmo uma delícia.

Tem também costela servida na panela de pedra sabão (por 75 reais), costelinha de porco com barbecue (85 reais), vaca atolada (cozida com mandioca, 75 reais) e até ossobuco cozido na cerveja preta (68 reais) – tudo isso em porção para 3 pessoas.

Pra beber, caipirinha feita com cachaça mineira de Salinas a R$ 18,50 e cerveja Heineken a 10 reais.

De sobremesa? Uma paçoquinha, que é cortesia da casa.

Costelas (Costela do Bel). Rua Amália de Noronha, 343, Pinheiros.

 

Quer saber o que é um Boteco de verdade? Vá ao Bar do Luiz Nozoie

IMG_1306

Fazia tempo que eu devia a mim mesmo um retorno a este que é um dos botecos mais clássicos da cidade de São Paulo, e um dos meus preferidos, por sinal.

Estou falando do Bar do Luiz Nozoie, no Bosque da Saúde.

Luiz Nozoie é um nissei que abriu este bar em 1962. E que levou a família para trabalhar com ele. A finada e fiel companheira, Dona Shizue, tomou conta da cozinha – que Deus a tenha -, que hoje está sob a batuta da filha, Marcia.

O Bar do Luiz Nozoie é um lugar muito simples, a decoração parece ser a mesma desde os tempos da inauguração, original – sequer há placa na porta.

Não importa. É um boteco obrigatório.

Conheci o Bar do Luiz Nozoie em 1998, quando fiz minha primeira reportagem lá. Era apenas Bar do Luiz. Por um imbróglio jurídico e mesquinho do Bar Luiz, do Rio de Janeiro, o boteco da Saúde ganhou o sobrenome ali por volta dos anos 2000 e pouquinho.

Marcia herdou de dona Shizue, que morreu há uns dez anos, a tarefa de preparar os pasteizinhos, que mais parecem rissoles, e que levam até cerveja na massa. Tem de carne, de queijo e de camarão, 3 reais a unidade – CUIDADO COM O CAROÇO DA AZEITONA!

Seu Luiz já não desce ao Guarujá para pescar – seus troféus de pesca estão expostos numa prateleira – os peixes-espada e as prejerebas que trazia para dona Shizue preparar, mas os espetinhos de peixe ainda fazem sucesso. Assim como a rã à milanesa, 15 reais.

Em cima do balcão ficam expostas em caixas de vidro, diversas conservas, queijos e porções frias, para que você monte um pout-pourri.

Uma fatia de lombo de porco temperado com ervas, por exemplo, sai por 1,50 real.

O jiló recheado com uma espécie de chutney picante de cebola custa 3 reais a unidade e é sensacional!

Entre as bebidas, a Serramalte está 13 reais.

E por falar em cerveja, muitos anos atrás, o seu Luiz construiu uma engenhosidade, pra resfriar a cerveja rapidinho.

Ele encheu uma antiga máquina de armazenar sorvete com uma solução de muito gelo, álcool e sal e passou a mergulhar um samburá, uma cesta de pesca cheia de garrafas de cerveja e em 15 minutos conseguia gelar a garrafa.

O seu Luiz Nozoie está com 87 anos e ainda dá expediente no bar, às segundas, terças, quintas e sextas.

Botequeiro que se preze tem de conhecer este grande boteco de São Paulo, agradecer e pedir a bênção a Luiz Nozoie San.

Bar do Luiz Nozoie. Avenida do Cursino, 1210, Bosque da Saúde

Meu vizinho é um bar

Nessa zona urbana que é a cidade de São Paulo, que nenhum plano diretor um dia vai conseguir endireitar, fica cada vez mais difícil definir o que é um bairro residencial.

A região de Perdizes, por exemplo. Na porção delimitada entre as avenidas Sumaré e Pompeia, e entre Alfonso Bovero e Turiaçu, houve um tempo em que ruas como Gastão Mesquita e Apiacás eram dominadas por prédios baixinhos, desses sem elevador, e sobrados.

Se você fizer uma breve e caminhada pelo pedaço hoje em dia verá que onde antes existia meia dúzia de casas surgem espigões de 20 andares ou mais, 2 ou 4 apartamentos por andar. É mais gente que chega, com necessidades, e que contribui para a mudança de perfil do bairro. Se o sossego e o paralelepípedo de algumas ruas andam correndo o risco de extinção, por outro lado a proximidade com a boêmia e saturada Vila Madalena vem fazendo com que alguns bares e restaurantes se instalem em ruas como Cayowaá e Apinajés.

A vocação desses estabelecimentos, me parece, está em receber a vizinhança. Em tempos de lei seca, eles são bem-vindos. Um deles é o Boteco Redentor, que ocupa a esquina das ruas Caiubi e Apinajés, onde antes existiu o Barthô.

Cercado por prédios residenciais, o Redentor é um refúgio para quem quer passar longe de filas de espera e da zueira. Seja nas mesas da calçada ou do salão interno, de pé-direito alto, bebe-se um chope decente (Brahma, R$ 6,90), que, às terças-feiras, é oferecido em esquema compre 1 beba 2.

As opções do cardápio, se não chegam a decepcionar, não emocionam. Com poucos ajustes, poderiam se sair melhor.

O ralo caldinho de feijão preto (R$ 8,50) vem com pouquíssimo bacon e nenhum acompanhamento. Poderia ter um torresminho ou um pãozinho para “xuxar” no copo.

A porção de bolinho de calabresa com alho-poró (R$ 24,90, com 6 unidades) tem mais alho-poró do que a linguiça. Embora tenham vindo sequinhos, os bolinhos estavam com o recheio mais frio. Provavelmente o óleo em que foi fritado estava em temperatura inadequada.

Para comer, a melhor saída são os sanduíches, como o churrasquinho (R$ 21,90), que vem à mesa no prato e acompanhado de fritas.

No fim das contas, fazer a política da boa vizinhança pode ser um bom negócio.

Boteco Redentor. Rua Caiubi, 1249, Perdizes, tel. (11) 2476-8222.

5 bares para ver a Copa, nos 5 cantos da cidade

 

Vamos falar a verdade: os dois melhores lugares para assistir a um jogo de futebol, seja do meu Tricolor ou da seleção, são 1. a arquibancada, 2. o sofá da sala do meu apê.

Mas se considerarmos que Copa do Mundo é uma festa, que essa balada possa também ser curtida em uma mesa de bar. Se esse é o seu caso, caro leitor, e mesmo que você já esquematizado tudo para a o jogo de abertura, lembre-se que teremos outras 63 partidas. O blog indica cinco bares, um em cada região da cidade, nos quais vale a pena reunir a galera para assistir Neymar, Messi, CR7 e cia.

ZONA NORTE

Bar do Luiz Fernandes — Nos dias de jogo do Brasil o melhor boteco da ZN está preparando a balada “7 horas de festa”. O bar vai ser ponto de encontro daqueles que quiserem esticar para a sede da Associação dos Oficiais da Polícia Militar de São Paulo. Nos R$ 150 (+ R$ 10 de transfer ida de volta) do pacote de cada dia está tudo incluso: bebida (chope e água à vontade), comida (bolinhos de carne e de bacalhau, sanduíche de churrsaco à vinagrete e calabresa apimentada; massas, churros e cachorro quente do Rolando Massinha; e baião-de-dois, dadinho de tapioca e caldinho de feijão de corda, do Mocotó) e samba. No dia 12, o esquenta tem Edu Batata e Grego e depois do jogo Brasil x Croácia — que será transmitido num telão HD de 90 metros quadrados —, o som fica a cargo de Leci Brandão. No dia 17 (Brasil x México), os Demônios da Garoa comandam a maloca e no dia 23 (Brasil x Camarões), Neguinho da Beija-Flor. Quem quiser apenas ver os jogos no próprio bar, vai poder, é claro. Rua Augusto Tolle, 610, Mandaqui, tel. (11) 2976-3556.

 

ZONA LESTE

Elídio Bar — Na primeira Copa sem a presença de seu mentor, Elídio Raimundi, o boteco tocado agora por suas filhas vai organizar um bolão para todos os jogos que rolarem às quartas-feiras: dia 18, Espanha x Chile e Austrália x Holanda; dia 25, Honduras x Suíça e Equador x França. O vencedor ganha uma feijoada, que é uma das melhores da cidade. Rua Isabel Dias, 57, Mooca, tel. (11) 2966-5805.

 

ZONA OESTE

Valadares — Esse clássico da boemia paulistana não está com nenhuma programação especial para a Copa do Mundo. O que, convenhamos, pode até ser uma boa notícia. Mas desde as 11 da manhã, horário em que a casa abre, as cinco TVs estarão ligadas nas partidas. Portanto, o melhor a fazer é descolar uma mesa legal, pedir uma Serramalte (R$ 9), uma porção de batata serragem (R$ 15) ou de testículos de boi (R$ 32) e secar os gringos. Rua Faustolo, 463, Lapa, tel. (11) 3862-6167.

 

ZONA SUL

Quintal do Espeto — Antes e depois dos jogos do Brasil, a moçada terá música ao vivo. Na hora do apito, telão e aparelhos de TV estarão espalhados pelos diversos ambientes. Parte do salão das três unidades estará destinada para os que fizerem reserva, parte para quem arriscar na hora, por ordem de chegada. Para acompanhar a caipirinha (cachaça Espírito de Minas, limão rosa, tangerina e canela, R$ 18) ou a cerveja Original (R$ 8,90), o espetinho de picanha sai por R$ 9,90. Avenida Pavão, 872, Moema, tel. (11) 5095-6565. Mais dois endereços.

 

CENTRO

Aconchego Carioca — A cada jogo estarão à disposição 40 pacotes da Torcida Aconchego (R$ 72), que dá direito a 4 cervejas, uma porção mista de bolinhos (virado, feijoada etc) e uma camiseta. Quem quiser optar pelo cardápio regular da casa, pode começar com uma taça do chope Delirium Tremens (R$ 19), seguir com uma porção de bolinho de aipim com bobó (R$ 26, com 6 unidades) e fechar com o bobó de camarão, prataço dos bons, por R$ 86 (paar duas pessoas). Alameda Jaú, 1372, Jardim Paulista, tel. (11) 3062-8262.

Bar do Magrão, the champion

 

Salão do Bar do Magrão, no Ipiranga / Foto: Mario Rodrigues

 

Quis o destino – ou Gobbo, o anjo protetor dos bares – que eu estivesse ao lado de Luiz Antonio Sampaio, o Magrão, na manhã de hoje, no exato momento em que seu bar era anunciado como o vencedor da primeira edição paulistana do festival Comida di Buteco.

“Pô, meu bar nunca ganha nada, já anunciaram o quinto lugar, o quarto, o terceiro, o segundo, já era…”, lamentava o Magrão, inconformado, minutos, segundos, talvez, antes de sair correndo, aos berros, meio chorando, em direção ao palco montado num salão em pleno Mercado Municipal Paulistano, onde viria a receber o troféu pela conquista.

Seu escondidinho de bacalhau conquistou o paladar do público e dos jurados que percorreram os 49 bares concorrentes, nas cinco regiões da cidade – centro e zonas Norte, Leste, Oeste e Sul – em busca do petisco perfeito.

O pódio foi completado pelo Lewis Bar – botecaço aberto na Lapa por um ex-garçom do vizinho Valadares, que alcançou o vice-campeonato com uma sensacional porção de panceta frita na hora -, e pelo Tiro-Liro, de Perdizes, que levou o bronze com a deliciosa e crocante cestinha de parmesão com batata recheada de bacalhau puxado no azeite e no alho.

Entre tantos bons participantes do Comida di Buteco, o Bar do Magrão merece o título. Trata-se de um boteco que está sempre se renovando sem, no entanto, perder sua identidade original. Desde 1995 na ativa, não há uma noite que não se ouça ali no bar os riffs de Keith Richards, Eric Clapton e Jimmy Page ou de qualquer outro grande roqueiro “das antigas”. Atento às tendências, Magrão dobrou recentemente a quantidade de rótulos de cerveja em sua carta, para 140 marcas. Se o escondidinho é o petisco da vez, não saem do cardápio as porções de ravióli e outras massas que Magrão importa da cozinha de sua cantina, vizinha de parede do bar.

Magrão: minutos após vencer o Comida di Buteco / Foto: Miguel Icassatti

Magrão trabalha em família, ao lado da mulher Mônica e do filho Giovanni, a quem Magrão incentivou a estudar gastronomia e a quem atribui a execução do premiado escondidinho de bacalhau. É ao lado deles que na noite de hoje – e por um bom tempo – as caixas de som do Bar do Magrão vão abrir espaço para o Queen, de Brian May, seu riff e o coro de “We are the champions”. 

Bar do Magrão. Rua Agostinho Gomes, 2988, Ipiranga, São Paulo – SP, tel. (11) 2061-6649. 

 

Vamos copiar os cariocas: boteco é Patrimônio Cultural

 

Bar Brasil / Foto: Semi Yassuda

 
Não sei de quem foi a ideia, mas ela é genial: hoje termina no Rio de Janeiro o 1º Seminário Internacional do Bar Tradicional, que discute, entre outros assuntos, a história, o clima e o espaço dedicado aos botequins. O apocalíptico tema “Crise atual e estratégias de preservação” vai fechar o evento nesta tarde, que acontece na Estudantina (Praça Tiradentes, 81, centro).

Calma, gente, vamos tomar uma gelada? Não sei qual será a conclusão dos debatedores, mas os bares tradicionais não estão em crise nem no Rio nem em São Paulo ou em qualquer outro canto do país. Uns morrem, é verdade, outros nascem já clássicos, outros sobrevivem por décadas. Assim é a vida, certo?

Tanto não há crise, graças a Gobbo, o anjo protetor dos bares, que doze endereços tradicionais do Rio de Janeiro passam a ser considerados Patrimônio Cultural da Cidade, de acordo com decreto assinado na abertura do seminnário, ontem, pelo prefeito Eduardo Paes. Os mais jovens da lista estão na ativa desde a década de 1930! São eles:

Café Lamas (viva o filé à oswaldo aranha!), Bar Luiz (chopinho e salsichão, que combinação!), Nova Capela (cabrito na madruga), Restaurante Pastoria, o “28” (mais cabrito), Casa Paladino (e sua omelete de bacalhau), Adega Flor de Coimbra (b’linhux d’ b’c’lhau!), Armazém Senado (tremoço e azeitona pra acompanhar a cerveja), Bar Brasil (chope centenário), Bar Lagoa (que lindo!), Cosmopolita (aqui o embaixador do Brasil nos EUA Oswaldo Aranha inventou o… filé à oswaldo aranha), Armazém São Thiago (e aquela polpetta, hein?) e Adega Pérola (sushi de português, isto é, sardinha marinada e enrolada).

Pois terá meu voto nas eleições municipais paulistanas de 2012 o candidato honesto, capaz, comprometido com o ideal de fazer de São Paulo uma cidade melhor e que tiver ideia semelhante a essa dos cariocas, ou seja, de valorizar os botecos e restaurantes mais antigos e tradicionais como um Patrimônio Cultural local. Para dar uma mãozinha, vai aqui a minha lista, também com 12 indicados e seu respectivo ano de abertura. Como critério de seleção, além de minha preferência pessoal, adotei a idade: Todos são mais velhos do que este blogueiro.

1. Bar do Alemão (1968), sanduba de rosbife, samba e choro à paulistana.

2. Bar do Vito (1942), roll-mops (sardinha na salmoura) e cerveja.

3. Bar do Luiz Fernandes (1970) e os bolinhos de carne e de bacalhau feitos pela Dona Idalina.

Bar do Luiz Fernandes / Foto: Mario Rodrigues

 

4. Bar do Luiz Nozoie (1962) e as cervejas mais bem geladas da cidade.

5. Elídio Bar (1973), o balcão de petiscos merece um tombamento à parte. Mas eu quero a versão antiga do bar de volta!

6. Estadão (1968), o melhor sanduíche de pernil deste lado do universo.

7. Frevo (1956), depois do cinema, sempre.

8. Jabuti (1967). Polvo à vinagrete e estamos conversados.

Jabuti / Foto: Gustavo Lourenção

 

9. A Juriti (1957). Rãs e batidas de coco.

10. Léo (1940), o chope. O bolinho de bacalhau. As manhãs de sábado. E seus descendentes Barão e Amigo Leal.

11. Moraes (1929) e seu filé.

12. Pé Pra Fora (1970), a melhor varanda e o melhor filé aperitivo.

13 (…putz, errei na conta!). Valadares (1962), batata serragem e cerveja para fazer descer os testículos de boi.

E para você, que boteco mereceria o título de Patrimônio Cultural paulistano?

Futebol no bar: um direito de todos

Faz quinze minutos que o Tricolor está em campo no Defensores del Chaco para o jogo contra o Nacional do Paraguai pela Copa Libertadores. Como o horário da partida – começou às 19 horas – é bizarro, não vou ter tempo de sair da redação, passar no supermercado e comprar umas latinhas de cerveja já geladas, a fim de ver o jogo no conforto de casa.

O jeito vai ser correr para algum bar a tempo de acompanhar o segundo tempo. Tô pensando, talvez chegue em Perdizes em 15 minutos e descole uma mesinha boa ali na calçada do Autêntico, na esquina da Caiubi com a Campevas. Hum…, só a lembrança daquele colarinho cremoso já me faz salivar pelo chope desse boteco em que a maioria das noites (e tardes de sábado, quando monta um bufê de boa feijoada) transcorre na maior tranquilidade.

A ligação perfeita entre boteco e futebol, imagino, deve existir desde aquele 15 de abril de 1895, dia em que Charles Miller reuniu os colegas da São Paulo Railway em alguma taberna do Brás para comemorar os 4 x 2 contra o time da Companhia de Gás.

Já nos tempos da TV Tupi, esse casamento ganhou um belo upgrade, quando algum dono de boteco resolveu puxar uma extensão e colocar um aparelho preto-e-branco, de tubo, em cima da geladeira. Afinal, a freguesia tinha de acompanhar o Brasil x Itália, o Fla X Flu, o Choque-Rei ou algum outro clássico enquanto tomava a sua cervejinha.

Eis que o tempo corre, o drible passa a ser visto como desrespeito e o futebol no Brasil vem a ter dono. Um dono que decide que não, nada dessa história de bar transmitir jogo de Copa do Mundo. “Só mediante autorização da FIFA ou da emissora licenciada”.

Pois é, nós, torcedores e botequeiros quase tivemos de engolir essa, caso quiséssemos assistir em um bar as partidas da Copa do Mundo da África do Sul.

O fato é que aquele estabelecimento que não quiser preencher no site da FIFA – em inglês – o requerimento de transmissão terá de seguir algumas “exigências”, tais como:

– não cobrar ingresso para ter acesso ao bar;

– partidos políticos e candidatos não podem ser associados com a exibição dos jogos (pergunta do blogueiro: se eu decidir me candidatar ao cargo de vereador e decidir juntar uns amigos para ver um jogo no bar, corro risco de ser punido pelo TRE?);

– o sinal da TV deve ser transmitido na íntegra, incluindo os intervalos comerciais (sugestão do blogueiro: para que o cliente não perca um segundo sequer dos maravilhosos comerciais, que tal instalar monitores de 14 polegadas em cada um dos mictórios e reservados no banheiro?).

Convenhamos, seria o fim da picada. Felizmente, não vai ser.

 

Autêntico. Rua Campevas, 320, Perdizes, tel. (11) 3873-0455.