Próximo do pódio

foto: Ricardo D'Angelo

Já que o horóscopo me advertiu, tive cuidado ao guiar meu carro e cheguei são e salvo à degustação de ontem no Friccó. Antes de chegar aos vinhos, quero falar rapidamente do menu que o chef e restaurateur Sauro Scarabotta preparou para nosso grupo.

Ainda na área de espera, que fica de frente para a prateleira de vinhos que estão à venda ali, alguns a bons preços, beliscamos umas bruschettas, da qual chamo a atenção para a de patê de fígado com pó de café.

Já à mesa e após a degustação, o jantar começou com um prato com dois recheadíssimos e úmidos raviolonis de ricota, queijo brie e berinjela na manteiga, sálvia e maçã caramelada. Uma delícia, que quase ofuscou a tagliata de contrafilé com molho balsâmico e purê de fava. Tivéssemos escolhido vinhos menos encorpados, talvez fosse o caso.

Mas como o tema era Piemonte, precisávasmos de um pouco mais de sustança para suportar os potentes rótulos. Desta vez, felizmente, fiquei bem longe da lanterna. meu vinho foi o quarto mais bem pontuado na degustação às cegas. Levei, no caso, o Travaglini Gattinara (comprado na importadora World Wine La Pastina), 100% produzido com uvas nebbiolo. Na foto, é o segundo da direita para a esquerda.

Foi um painel sensacional, que começou com um brinde regado ao champanhe Drappier La Grande Sendrée safra 2002 (importadora Zahil).  Terminar setembro em companhia dos meus amigos e desses vinhos foi algo realmente especial.

Que outubro comece e continue assim. Que não nos falte vinho, cerveja e principalmente razões para brindar. E que votemos bem depois de amanhã.

+ Friccò

Uma semana legal

Esta última semana de setembro, e do terceiro trimestre!, tem sido das boas – a despeito da derrota do meu São Paulo ontem…

Na manhã de terça consegui nadar 2000 metros em 45 minutos para que, à noite, pudesse sair menos culpado do jantar ao qual havia sido convidado por alguns amigos, no Kosebasi, restaurante de cozinha turca no Itaim Bibi.

Esses amigos se reúnem uma vez por mês para degustar vinhos. Como convidado de última hora, reconheço que pisei na bola. O vinho que comprei para essa degustação ficou em último lugar na prova às cegas. Explico: nesse encontro, cada casal levou uma garrafa embalada em papel alumínio, para que a bebida fosse degustada, sem que se soubesse o que estava sendo consumido. Só se sabia que os vinho eram franceses da região do Rhône. Cada um dos convivas avaliou individualmente os vinhos, do melhor ao pior, e no fim os rótulos foram revelados.

Não que o vinho que levei fosse ruim. Longe disso. O Crozes-Hermitage Les Jalets (importadora Mistral) é de boa safra, 2006, e excelente produtor: Paul Jaboulet Ainé. Ocorre que à mesa só havia feras e à sua frente vinhos muito bons.

Minha sorte foi que durante o jantar, repleto de especialidades como o pide, uma espécie de esfiha assada em um forno anexo ao salão, do tabule, dos kebabs e da picanha fatiada sobre pasta de berinjela com queijo feta, a atenção se desviou para… o pide, os kebabs, o tabule e a picanha (a conta deu redondos R$ 90,00 por pessoa).

Ontem, apesar do São Paulo…, jantei no Marina di Vietri, na Vila Olímpia, uma cantina onde é possível comer um esplêndido espaguete ao vôngole ou uma costeleta cordeiro acompanhada de , antes de seguir para uma baladinha no Lions Club, em pleno centrão. Instalado no primeiro andar de um prédio sessentão, o lugar tem uma varanda ampla, que dá uma interessante vista para a Avenida 23 de Maio, em primeiro plano, e, ao fundo, para aquela pequena confusão de prédios que cerca a Catedral da Sé. Som bom, na linha um-pouco-de-tudo, e mais alguns colegas por perto, já que a casa estava fechada para a festa de uma empresa de amigos (não sei se em dias normais eu me disporia a pagar R$ 120,00 pela entrada…).

Marian di Vietri/ Foto: Mario Rodrigues

Daqui a pouco, saio da redação para o Friccó, restaurante italiano no Paraíso, para a segunda degustação da semana, desta vez da Confraria dos Sete + Um, da qual orgulhosamente faço parte desde o início deste ano. Vamos beber vinhos do Piemonte acompanhados de pratos como espetinhos de linguiça de javali e de queijo de coalho; ravioloni de ricota, queijo brie e berinjela na manteiga, salvia e maçã caramelada; e tagliata de contrafilé com molho balsâmico e purê de fava, mais sobremesa (por esse menu, cada um de nós vai pagar R$ 90,00).

Amanhã (e se eu conseguir fugir de cruzamentos perigosos, segundo meu horóscopo) conto se meu vinho desta vez se saiu melhor, antes de tomar o rumo do Bar 8, nos Jardins, onde vou dar um abraço de feliz aniversário em um amigo.

8 Bar. Rua José Maria Lisboa, 82, Jardim paulista, tel. (11) 3889-9927.

Friccó. Rua Cubatão, 837, Paraíso, tel. (11) 5084-0480.

Kosebasi. Rua jerônimoda Veiga, 461, Itaim Bibi, tel. (11) 2362-9971.

Lions Club. Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 277, centro, tel. (11) 3104-7157.

Marina di Vietri. Rua Comendador Miguel Calfat, 398, Vila Olímpia, tel. (11) 2659-7824.