De volta ao Joan Sehn, em Moema

 

joan_sehn

Joan Sehn / Foto: facebook.com/joansehn

 

A zona sul de São Paulo, naquele imenso pedaço que vai de Moema a Santo Amaro, sempre foi um reduto de bares e restaurantes inspirados na culinária alemã. Alguns ainda resistem, como o Zur Alten Muhle (no Brooklin), o Bierquelle, o Konstanz e o Whinduk, em Moema.

Outros já se foram, casos do Zillerthal e do Choppinho´s.

E há aqueles que ressuscitaram – ou foram ressuscitados – casos do Ilhabela (que não está mais na João Dias, no entanto) e do Joan Sehn.

O Joan Sehn original foi fundado em 1937 e encerrou as atividades em 2010, para que o ponto desse lugar a um empreendimento imobiliário.

Durante muito tempo, foi a choperia mais antiga em atividade em São Paulo, e recebia muitos boêmios em seu salão gasto, compridão, com a cara de bar alemão.

Pois a casa foi reaberta há pouco mais de um ano, pelas mãos da antiga proprietária, e, desta vez, só não teve vida curta porque antigos frequentadores do Joan Sehn se uniram e compraram o bar, mantendo-o em atividade.

Estive lá e pude perceber que, sim, há certos elementos que aludem à antiga choperia, mas, a bem da verdade, o que tinha de ficar no passado, ficou.

Embora esteja localizado na mesma rua de antes, a atmosfera é outra, assim como a decoração. As paredes são forradas por lambe-lambes alusivos à uma marca de cerveja, há duas TVs no fundo do salão e piso de cimento queimado.

A lembrança do passado vem graças ao balcão extenso, do lado esquerdo de quem entra, onde ficam os frios que serão servidos em porções e a chopeira.

Da equipe antiga, aliás, foi recrutado o Ribeiro, que é o cortador oficial de frios.

O cardápio também recupera os itens que eram clássicos no velho Joan Sehn, tipicamente alemães. Por exemplo, o mix de salsichas, o frikadel (um bolinho de carne temperado com especiarias, e o currywurst, que foi o que eu comi e me fez lembrar dos botecos (ou knipes) aos quais vou, quando visito minha irmã na Alemanha. É uma porção de salsicha branca grelhada, com molho picante e mostarda. Vem com batata frita.

E tem o chope, é claro, bem tirado. Aos nostálgicos, como eu, ou a quem não conheceu o velho Joan Sehn, vale a visita.

Joan Sehn. Avenida Lavandisca, 477, Moema.

Bar do Giba e a voz do povo

Bar do Giba: eleito o boteco do ano por Veja São Paulo

Bar do Giba: eleito o boteco do ano por Veja São Paulo

Nesta semana circula mais uma edição anual do guia Comer & Beber de Veja São Paulo. Desta vez, a revista decidiu escolher os melhores bares, restaurantes e comidinhas da cidade pautada apenas pelo voto do internauta que visita o site da publicação. É a voz povo, digitalizada.

Se a voz do povo é a voz de Deus, Ele elegeu o fantástico Bar do Giba como o boteco do ano em São Paulo.

E Ele sabe mesmo o que faz. Havia uns bons anos que eu não ia ao Giba, até que, na sexta, recebi um convite-alerta do amigo Luis Alvim, para que fôssemos almoçar lá no sábado, antes que a maioria das bancas e assinantes da Vejinha recebessem seus exemplares e resolvessem conferir alguns dos melhores do ano já no sabadão.

Prontamente atendi, ou melhor, atendemos. Camila e eu chegamos por lá às 2 e meia da tarde e fomos os últimos a nos juntar à mesa. A turma já havia devorado uma paleta de cabrito e dado fim a umas caipirinhas e pasteizinhos (recomendo fortemente o de camarão e o de palmito).

Apesar do atraso, conseguimos alcançar os demais, ao pedirmos uma porção de barrinha de cereal (isto é, de barriga de porco frita), mais pasteizinhos e uma costela de cabrito, além de algumas garrafas de Serramalte e uma caipirinha feita com a boa cachaça Solar.

Não me perguntem o preço desses itens porque, como não há cardápio na casa, não tenho ideia do quanto nos foi cobrado por cada cosia que pedimos. Só sei que a conta total bateu nos R$ 540,00, o que significa que cada um deixou R$ 90,00 na casa.

Confesso que essa falta de menu me causa certa preguiça. Permaneço, portanto, no desfalcado time dos chatos que gostam de ver as opções e preços dos comes e bebes. Quem se queixava que o Giba só recebia pagamentos em dinheiro e cheque, a boa nova, ao menos para mim, é que cartões de débito agora são bem-vindos.

No mais, deixo meus parabéns para o Giba. Título merecidíssimo.

A lista completa dos vencedores de Comer & Beber de Veja São Paulo pode ser conferida aqui.

Bar do Giba. Avenida Moaci, 574, Moema, São Paulo, SP, tel. (11) 5535-9220.