Sandubas e mais sandubas no Mercadão

Começou hoje – e eu já pretendo conferir amanhã mesmo – o Festival Gastronômico Caminhos e Sabores de São Paulo, que reúne doze boxes, bares e quetais do Mercado Municipal Paulistano.

Até o dia 14 de novembro, algumas dessas casas estão apresentando em primeira mão receitas recém-criadas.

Outras estão concedendo desconto no preço de itens clássicos, caso do Hocca Bar, famoso pelo pastelão de bacalhau e o sanduba de mortadela, que baixou de R$ 8,50 para R$ 3,00 o do sanduíche bela baby (mortadela com queijo).

Estou particularmente curioso para provar estes dois sandubas:

1. o de sardinha escabeche do Mortadela Brasil (R$ 8,00)

fotos: divulgação

2. o bacalanche da Lanchonete Ponto 27, que, a foto não nos deixa enganar, traz bacalhau desfiado bem fininho, temperado com ervas finas e azeitona verde (R$ 14,00).

O mais legal é que, a cada pedido, o cliente pode levar para casa as dicas sobre o modo de preparo.

Se de fato eu conseguir passar por lá amanhã cedo, conto aqui depois se valeu a pena.

Mercado Municipal de São Paulo. Rua da Cantareira, 306, centro.

Menu de tubaínas

Bar Coronel, em São José dos Campos

Chega às bancas neste fim de semana a nova edição anual de VEJA VALE E MONTANHA “Comer & Beber”, que abrange 590 bares, restaurantes e endereços comidinhas das regiões do Vale do Paraíba, da Serra da Mantiqueira e da Serra da Bocaina.

A partir de amanhã, as novidades podem ser conferidas também no site http://www.vejavaleemontanha.com.br. Nesta que é a mais abrangente publicação da série ‘comer & Beber”, da qual sou editor, há casas recém-inauguradas e lugares tradicionais de cidades como Campos do Jordão, Pindamonhangaba e até de São Luís do Paraitinga, que aos poucos vai se reconstruindo.

Entre os vencedores, o Bar Coronel, de São José dos Campos, fatura mais uma vez o prêmio de melhor boteco e leva também o de melhor cozinha. Instalado em uma esquina de frente para o cemitério, esse botecaço tem um balcão de petiscos sensacional. Lembro-me especialmente dos embutidos e dos queijos, do bom chope e, sobretudo, da alma interiorana que seu ambiente carrega. É um dos grandes exemplares do gênero.

Em pleno bairro da Consolação, a uns 70 passos de casa e a três quarteirões da Avenida Paulista, o Tubaína presta meio que uma homenagem ao interior de São Paulo, tanto no cardápio quanto na carta de tubaínas.

Bar Tubaína, na Consolação

Você leu certo, o bar, que foi inaugurado em setembro de 2009, tem uma carta com cerca de quinze rótulos de tubaína! Nessa lista estão a Cotuba, fabricada em Tanabi, a Etubaína Orlando, de Piracicaba e a Gengibirra Limongi, de Rio das Pedras.

Atire a primeira tampinha quem nunca pediu a avó uns trocados para comprar uma Baré Cola ou uma Simba Limão! Se eu não estiver enganado, lembro que, num tempo em que não havia garrafas PET, esses refrigerantes eram vendidos em vasilhames de cerveja. Tinham, portanto, o dobro de capacidade das garrafas dos outros e custavam bem menos que uma Coca-Cola.

De Ribeirão Preto vem o chope Colorado, muito bom, especialmente o Appia, de trigo (R$ 6,50). Para acompanhar, vale pedir um sanduba (mandei ver num de pernil temperado com o shoyu, muito bom).

Para paladares mais infantis, que tal combinar uma porção de mandiopã com uma Soda Limonada Guarany?

Bar Coronel. Rua Francisco Rafael, 298, centro, tel. (12) 3921-3141, São José dos Campos, www.barcoronel.com.br.

Tubaína. Rua Haddock Lobo, 74, Consolação, tel. 3129-4930, Consolação, São Paulo.