Ficar 72 horas sem beber: será possível?

Na manhã do dia 4 de novembro, uma quinta-feira, saí do consultório da doutora Teruco, minha alergista, com uma relação de exames para fazer.

Liguei para o laboratório e fui informado que não seria necessário agendar a coleta de sangue. Mas eu deveria me preparar para o exame 1. ficando 12 horas em jejum e 2. estando a 72 horas sem consumir bebida alcoólica.

Pensei: Ok., vou resolver logo essa história. Só que não me dei conta de que a vida é cheia de percalços. Nos dias subsequentes, como vocês lerão abaixo, fracassei. Não consegui ficar 72 horas a seco.

Uma conjunção de fatores conspirou contra mim, apesar de todo meu esforço. Aqui vai a prova:

Quinta-feira, 4: ok, 24 horas sem álcool.

Sexta-feira, 5: convenhamos, passar a sexta-feira sem um chopinho? Não teve jeito. Eu merecia uma rodada no Genésio, na Vila Madalena, depois de uma semana de muuito trabalho.

Sábado, 6: um vinhozinho para acompanhar o ceviche no andino Killa, em Perdizes no almoço. Depois do cinema, um tinto no Spot para fechar a noite.

Domingo, 7: cervejas e mais cervejas no show do Paul McCartney em Porto Alegre.

Segunda, 8: primeiras 24 horas sem beber!

Terça, 9: outras 24 horas sem beber! Estou indo bem!

Quarta, 10: meu aniversário. Vinho, espumante e cerveja em casa. Justo, não?

Quinta, 11: degustação da Premium Familiae Vini, grupo formado por onze dos maiores produtores de vinho do mundo. Uma tacinha de Vega-Sicilia Único, outra de Château Mouton Rotschild 2002 e mais outra do Sassicaia 2002…

Sexta, 12: almoço com amigos. Para acompanhar o bacalhau com batatas e a alheira com ovo frito, o brinde foi com uma garrafa magnum do Mouchão 2003.

Sábado, 13: depois do jantar, na casa de amigos no litoral norte, uma garrafa de vinho rosé para celebrar.

Domingo, 14: ainda na praia, um espumante italiano para encerrar o dia.

Segunda, 15: já em casa, depois de três horas de estrada, uma garrafa de um tinto francês do Languedoc, simplesinho mas muito bom, para acompanhar o espaguete ao molho cremoso de linguiça, uma receita tirada de um dos livros do saudoso amigo Saul Galvão.

Terça, 16: vamos lá, retomando, primeiras 24 horas sem beber.

Quarta, 17: até o momento, mais 17 horas abstêmio. Já são 41 horas.

A questão é: conseguirei e as próximas 31 horas?

Acho que vou preparar um tereré geladinho hoje à noite!

+ Genésio
+ Killa
+ Spot